A empresa Concord Management and Consulting LLC, uma das três firmas que tem cerca de 13 pessoas acusadas de tentar manipular as eleições dos Estados Unidos via Internet, interpôs recentemente um recurso alegando inocência face às acusações de Robert Mueller do Conselho Especial para investigar este assunto.
Yevgeny Prigozhin que controla a Concord Management and Consulting e a Concord Catering (outra das três empresas visadas) e apelidado de “Chef (de cozinha) de Putin” é um dos acusados de produzir propaganda, fazendo-se passar por grupos de activistas norte-americanos que comentavam as redes sociais, com o objectivo de criar conflitos nos USA usando as redes sociais (trolling).
Nas sessões iniciais, a promotora do Ministério Público Jeannie Rhee questionou se o Dubelier (o advogado porta-voz da Concord Managemant e da Concord Catering)  falaria em representação das duas empresas Prigozhin, a Concord Management de Saint Petersburg e a Concord Catering. Este respondeu que “Estou autorizado a comparecer hoje em nome do único réu”.
A acusação de 37 páginas descreve como centenas de russos usaram as redes sociais, comícios falsos e a acção de agentes secretos russos infiltrados nos EUA para criar “intensidade política” entre grupos radicais, movimentos sociais de oposição e eleitores insatisfeitos.
Em 2014, segundo a acusação, vários russos viajaram para os EUA sob falsas pretensões “para colectar informações para suas operações de interferência”. Prigozhin é conhecido como o chef de Putin por causa de seus laços próximos com o presidente Vladimir Putin, aliás a Concord Management fornece serviços de alimentação para o Kremlin. Mueller também acusa uma outra empresa de catering relacionada com a Concord.
Prigozhin conhece Putin desde os anos 90, quando ambos viviam em São Petersburgo e Putin era o vice-prefeito da cidade.
Dubelier durante este processo tem procurado refutar todas as acusações colocando o enfoque “em como” a Acusação construiu o seu caso.
Não foi ainda referido (pelo menos que tenhamos conhecimento) e muito possivelmente não será, o “necessário” envolvimento da TAO, na construção deste caso. A TAO – Tailored Access Operations da NSA é a divisão secreta que colecta informação sensível ou SIGINT, Signals Intelligence, quer sejam de comunicações entre pessoas (Comunications Intelligence ou COMINT) ou comunicação electrónica (ou ELINT), sendo a função principal da TAO a “Cyberwar”.
Segundo o The Washington Post, os engenheiros informáticos recrutados pela TAO, são considerados “a elite dos hackers da NSA“, e obrigatoriamente teriam de ser estes a fornecer ao FBI as pistas necessárias para poder responsabilizar os subversores.
O tema da ciberguerra com os russos não é novo, e parece ter um carácter bilateral, tal como explica o Tech Insider. Além disso existem demasiadas notícias sobre o hacking das eleições americanas, parecendo ser uma acção concertada!
Ainda assim o nome de Yevgeny Prigozhin, tão intimamente ligado a Putin aparece de certa forma como uma surpresa…
Esperava-se que os ataques, e por parecer ser uma acção concertada, fossem desembocar numa única figura, que é também uma lenda na comunidade hacker mundial, conhecida por “Slavic” ou “lucky12345”, ou seja os nomes usados online por Evgeniy Mikhailovich Bogachev (ver Chasing the Phantom no Wired).
A razão pela qual se fala em Bogachev, é porque este orquestrou o maior assalto de sempre nos USA, cerca de 100 milhões de dólares, usando uma botnet (rede de robots online), no conhecido golpe “GameOver Zeus“, e nunca mais voltou a ser visto. Boatos ligam-no ao SVR (serviço de intelligence russo), e assume-se que se encontre protegido pelo governo russo.
A “competência” e sofisticação para orquestrar um golpe destes, coordenando tantas pessoas, e de forma tão incisiva sem quase deixar rasto, é a imagem de marca de Bogachev, pois foi exactamente isso que fez com o GameOver Zeus (vídeo: “5 coisas para saber sobre o GameOver Zeus“).
Por aqui vamos continuar a acompanhar os desenvolvimentos, e esperar para ver se este nome aparece ligado ao alegado hacking das eleições americanas.