A NASA prepara-se para enviar um UAV (Unmanned Aerial Vehicle), o “Mars Helicopter”, para Marte. Este drone será enviado conjuntamente com o Mars Rover em 2020 e é o resultado de mais de 4 anos de pesquisa, para conseguir reduzir toda a tecnologia a um peso total de 1,8 kg.
Este drone está projectado especificamente para a atmosfera de Marte que é 100 vezes mais fina do que a do planeta Terra, e por isso as hélices do drone irão girar cerca de 3000 por minuto, ou seja 10 vezes mais rápido do que voaria na Terra.
O Laboratório de Propulsão a Jacto da NASA esclareceu que o drone voará sozinho, até porque se encontra a 55 milhões de quilómetros da Terra, e é impossível enviar comandos a esta distância.
É uma missão com um risco elevado, uma vez que o recorde de altitude de um drone no planeta Terra é de 40.000 pés, e quando este drone estiver na superfície de Marte já estará no equivalente à Terra de 100.000 pés…
A função principal do drone é servir de “batedor”, sobrevoando obstáculos, e conseguindo cartografar áreas que por exemplo o Spirit Rover , o Mars Opportunity e o Mars Curiosity não conseguiam.
Espera-se que esta missão corra bem, até para que se possa estudar Marte mais depressa, porque se bem se lembram o Spirit Rover por exemplo ficou atolado em areia em 2009, o que fez com que esgotasse a energia restante antes de concluir a missão.
Por sorte, a forma como ficou atolado em areia, acabou por se revelar uma das grandes provas da existência no passado de água liquida no planeta vermelho.