A privacidade dos dados e a segurança nas comunicações tem estado na ordem do dia. Recentemente Tim Cook entrou algo secretamente (e ainda bem), na guerra que as Secretas russas estão a mover contra a aplicação Telegram, um chat encriptado inviolável. Estes são os pontos altos do conflito:

Nikolai and Pavel Durov, irmãos fundadores do VKontakte, o Facebook russo, fundaram o Telegram Messenger em 2013. O Telegram é um conhecido chat encriptado, com criptografia end-to-end ou pier-to-pier, que permite trocar mensagens, fotografias e vídeos de forma anónima e com auto-destruição das comunicações, bem como criar grupos secretos de até 100.000 membros (razão pela qual está a ser utilizado pelo Estado Islâmico para as suas comunicações. Ver sobre este assunto “O incrível mundo do Estado Islâmico no Telegram” (parte 1) e “O incrível mundo do Estado Islâmico no Telegram” (Parte 2)

Mas liberdade e privacidade que o Telegram proporciona, não agrada a todos. Aliás, culminou em Abril deste ano, em tribunal, um longo processo que opunha o Telegram à Roskomnadzor (a entidade russa que faz a supervisão das comunicações na Russia).

A entidade pública processou o Telegram por eles não respeitarem a lei de anti-terrorismo em vigor desde 2016, criando uma “backdoor” para que as secretas russas pudessem aceder aos conteúdos das mensagens.
E porque o Telegram não cedeu, viu a partir de 16 de Abril determinado em tribunal o bloqueio da aplicação na Russia, que representa 7% dos utilizadores mundiais do Telegram.
Só que bloquear o Telegram não é fácil, e basicamente aquilo que aconteceu é que o governo russo apenas conseguiu limitar o funcionamento do Telegram entre 15 a 30%, nomeadamente impedindo que a aplicação recebesse actualizações da Apple.
Esta decisão levou a 30 de Abril deste ano 12.000 manifestantes às ruas, lançando ao ar aviões de papel brancos e azuis, que simbolizavam o logótipo de Telegram.
Esta guerra continuou quando o Pavel Durov veio há 2 dias atrás acusar a Apple de estar a defender a Russia contra o Telegram.  Pavel utilizou o seu canal pessoal e o Twitter para dirigir-se à Apple, uma vez que o IOS não estava a permitir fazer as actualizações necessárias. E mais grave do que isso, simultaneamente a Russia solicitava a remoção da aplicação Telegram na App Store russa..
A contestação foi crescendo e a Amnistia Internacional começou também a fazer pressão.

Não se conhece o jogo de bastidores, mas sabe-se agora o resultado… Há exactamente 18 horas atrás Pavel Durovescreveu no seu twitter:

Parece portanto que o Telegram ganhou este round, com a ajuda de Tim Cook!!! Vamos ver se há desenvolvimentos, e se o Telegram vai continuar a ser uma aplicação segura!!!