O 2018 “Wi-Fi Report da Routehappy” mostra que 82 companhias aéreas em todo o mundo, agora oferecem Wi-Fi a bordo registando um aumento de 17% em 2017. Mas ter Wi-Fi a bordo, não significa que actualmente este Wi-Fi seja “particularmente bom”…

Contudo as companhias têm tentado melhorar e naquelas onde já existe Wi-Fi as melhorias para se poder fazer, por exemplo Streaming avançado (por exemplo Youtube em HD), registou um incremento de 129% mundialmente, na categoria de Best Wi-FI, diz o relatório.

Deixar de voar sem acesso a Internet, está num horizonte futuro muito abreviado. Por exemplo a British Airways espera ter até 2019 pelo menos 90% das suas aeronaves com uma boa ligação de rede.

Em 2017 por exemplo a Air Astana, Air Côte d’Ivoire e Air Mauritius estavam entre as companhias que começaram a oferecer Wi-Fi, bem como a Qantas, a Virgin Australia e a Air New Zealand passaram a disponibilizar este serviço. Pago ou não, viajar de avião com Internet de qualidade, começa a ser um “must have”. E a Europa que foi ficando para trás na oferta desta valência, está a ser obrigada a acertar o passo…

E tem que acertar o passo porque das 3 companhias que já oferecem Wi-Fi a 100% nos seus voos – Icelandair, Southwest e Virgin Atlantic – 2 têm sede na Europa, mas também porque em Fevereiro de 2018 a Deutsche Telekom e Inmarsat anunciaram que a Rede Europeia de Aviação (EAN) – uma rede híbrida de satélite e ar-terra para a Europa – estava completa e com suporte a serviços de conectividade comercial. Espera-se para já, e nos próximos meses, mudanças na Aer Lingus, British Airways, Iberia e Vueling…

É uma mudança mundial que todas as companhias têm que adoptar… Ainda recentemente foi anunciada para o aeroespaço indo-asiático

Vamos acompanhando as os desenvolvimentos aqui!

Credits: futuretravelexperience.com