As cianobactérias estão no grupo dos micróbios “resistentes”. Foram elas que ajudaram nos primórdios da Terra á sua terraformação ou seja, a tornar uma Terra sem vida numa biosfera vibrante.
Mesmo aquecendo o solo cerca de 6 graus, as espécies vegetais terão dificuldade em subsistir numa superfície hostil como Marte.
Segundo um artigo da astro-bióloga Lynn Rothschild do Instituto de Pesquisa Ames da NASA, considera-se que devemos aproveitar estas “minúsculas máquinas fazer fotossíntese”, para produzir muitos dos recursos que precisaremos para sobreviver, desde alimentos e oxigénio a metais e remédios.
No planeta Terra, as cianobactérias recolhem o dióxido de carbono e libertam oxigénio em alguns dos locais mais inóspitos da Terra, como por exemplo no Deserto de Mojave, na Antártida ou no fundo dos oceanos. Mas também o fazem no espaço, tendo sido encontradas no exterior da Estação Espacial Internacional (ISS).
O problema é que Marte não deverá ter alguns dos ingredientes-chave, para se iniciar o cultivo em larga escala de espécies vegetais, que por sua vez iram gerar vapor de água, o que provoca o efeito de estufa necessário à habitabilidade.
E sobre a falta de ingredientes-chave, começamos em primeiro lugar com o pouco nitrogénio encontrado na superfície de Marte, absolutamente necessário à actividade dos micróbios. Por outro lado as plantas necessitam de amónia (NH3) e/ou de Nitrato (NO3). E à margem do nitrogénio biologicamente útil que foi encontrado pelo rover Curiosity em Março passado,  e em poucas quantidades, não se encontrou muito mais.
Mas isso também teria acontecido com a Terra, se não fossem as Cianobactérias, uma vez que estas são fixadoras de nitrogénio, que usam enzimas especializados para retirar nitrogénio do ar e convertem-no em amónia para as plantas.
O que isto significa é que as cianobactérias têm basicamente a capacidade de retirar da atmosfera de Marte, todo o fertilizante necessário para terraformar o planeta vermelho…
Esta acção fertilizante das cianobactérias, permitirá numa segunda fase o aparecimento de espécies vegetais que processam nutrientes fundamentais aos humanos, como fósforo, magnésio, potássio, cálcio, zinco, ferro, etc…
Estes nutrientes existem já nas rochas basálticas de Marte, espalhadas por toda a parte… Mas são precisas as cianobactérias para os extrair, metabolizando estes nutrientes juntamente com os enzimas que produzem…
Se esta explicação não é suficientemente clara, a ideia é simples: As cianobactérias são como mineiras de nutrientes, que se encontram nas rochas. E são necessários estes nutrientes para activar a engenharia planetária!
Dentro em breve começaremos a ver notícias sobre as cianobactérias, por tão importantes que são na terraformação de qualquer planeta (e elas vão se necessárias, como pedra angular, em vários mundos potencialmente habitáveis no futuro)… E a ciência está a correr atrás deste milagre da evolução, no sentido de impulsionar ainda mais a sua acção através do condicionamento genético…
Espera-se portanto os resultados das modificações no código genético das cianobactérias, resultados esses que podem passar despercebidos a alguns, mas que de facto encerram o futuro da Humanidade.