Marte

Ciclo Marte 2030

Após décadas de sucessos, fracassos e muita determinação, o sonho de ter os pés bem assentes em Marte é uma ficção cada vez mais real. MARTE 2030 é um ciclo de quatro conversas em interação com o público em que investigadores de diferentes áreas vão falar sobre a possibilidade de vivermos no planeta vermelho.

As conversas serão temáticas e irão abordar o leque de questões que se levantam quando consideramos deixar o nosso planeta de origem e testar a resistência humana numa viagem tão longa, tão longe como nunca antes, e a um ambiente tão inóspito.

A pesquisa de vida em Marte, o envio de missões tripuladas ao quarto planeta do Sistema Solar, os desafios tecnológicos e fisiológicos impostos por esta viagem pioneira, as formas de sobrevivência dos primeiros humanos neste planeta, e os destinos que a seguir se perfilam para as viagens interplanetárias, serão os temas para um ciclo de conversas com os pés fora da Terra.

MARTE 2030 é uma coprodução do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), do Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier da Universidade Nova de Lisboa (ITQB-NOVA) e do Centro Cultural de Belém (CCB).

Sessão 1: Vida em Marte (13 de Outubro, 21:00)

Ciclo Marte 2030

©NASAJPL-CaltechMSSS

©NASAJPL-CaltechMSSS

Depois da Terra, o planeta vermelho será o corpo do Sistema Solar onde é mais provável ter já existido vida. Que dados nos permitem acreditar nisso? E que relação existe entre a procura de Vida em Marte e o envio de seres humanos em 2030?
No final da conversa haverá observações astronómicas com telescópios, sujeita às condições meteorológicas.

Oradores
Zita Martins (Instituto Superior Técnico)
Adriano Henriques (Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier, Universidade Nova de Lisboa)
Moderação Teresa Firmino (Público)

Coordenação: João Retrê (IA) e Joana Lobo Antunes (ITQB NOVA)

Coprodução CCB/ITQB NOVA – Instituto de Tecnologia Química e Biológica/Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

Zita Martins
Zita Martins é astrobióloga, ou seja, estuda as condições para o aparecimento de vida e a sua existência fora da Terra. Trabalhou durante cerca de dois anos para a missão a Marte ExoMars, e é co-investigadora de duas missões espaciais que serão instaladas na Estação Espacial Internacional (ISS). É Professora Associada no Departamento de Engenharia Química do Instituto Superior Técnico.

Adriano Henriques
Adriano Henriques é Microbiólogo, estuda bactérias em especial os mecanismos biológicos e moleculares que levam a que alguns desses organismos façam esporos e consigam assim resistir a condições extremas de temperatura, oxigénio e pressão. É Professor Associado no Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier da Universidade Nova de Lisboa, onde lidera o Laboratório de Desenvolvimento Microbiano.

Sessão 2: Ir para Marte (17 de Novembro, 21:00)

Ciclo Marte 2030

Ciclo Marte ©SpaceX

Ciclo Marte ©SpaceX

Se não for possível a um ser humano viver em Marte, então poderemos nunca nos libertar do confinamento da Terra. Mas deixar a Terra e viajar até ao planeta vermelho comporta inúmeros desafios tecnológicos e fisiológicos, entre outros. O que é indispensável para a viagem? Que recursos serão necessários para viver? E como poderemos regressar a casa, ao planeta Terra?
No final da conversa haverá observações astronómicas com telescópios, sujeita às condições meteorológicas.

Oradores
Rui Agostinho (Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)
Pedro Fevereiro (Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier)
Moderação David Marçal (Ciência Viva)

Coordenação: João Retrê (IA) e Joana Lobo Antunes (ITQB NOVA)

Coprodução CCB/ITQB NOVA – Instituto de Tecnologia Química e Biológica/Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

Rui Agostinho
Rui Agostinho estuda o impacto do meio galáctico nas condições para a vida na Terra como, por exemplo, a variação da intensidade da radiação produzida pelas supernovas enquanto o Sol se move na galáxia. É membro fundador da Sociedade Portuguesa de Astronomia. É investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e professor no Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Pedro Fevereiro
Pedro Fevereiro é biólogo e dedica-se a usar e desenvolver ferramentas moleculares e celulares para a seleção de plantas em programas de melhoramento, na aplicação de biotecnologia para a investigação e indústria e na divulgação e promoção da cultura científica nessa área. É Presidente do Centro de Informação em Biotecnologia, foi Bastonário da Ordem dos Biólogos e membro do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida. É Investigador e líder do laboratório de Biotecnologia de Células Vegetais no ITQB NOVA e Professor Auxiliar com Agregação (ITQB NOVA) na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Sessão 3: Sobreviver em Marte (15 de Dezembro, 21:00)

Ciclo Marte 2030

Mars Food Production Bisected ©NASA

Mars Food Production Bisected ©NASA

Como conseguirá uma missão tripulada sobreviver em Marte? Que recursos minerais e energéticos estarão disponíveis? Cultivar alimentos, manter o estado de saúde física e mental, e até respirar, são tarefas dificultadas por um ambiente frio, com ar rarefeito e sem água líquida.
No final da conversa haverá observações astronómicas com telescópios, sujeita às condições meteorológicas.

Oradores
Pedro Machado (Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)
Isabel Abreu (Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier, Universidade Nova de Lisboa)
Moderação Vera Novais (Observador)

Coordenação: João Retrê (IA) e Joana Lobo Antunes (ITQB NOVA)

Coprodução CCB/ITQB NOVA – Instituto de Tecnologia Química e Biológica/Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

Pedro Machado
Pedro Machado estuda a dinâmica das atmosferas dos planetas do Sistema Solar. Métodos desenvolvidos e aperfeiçoados no âmbito da sua pesquisa sobre a atmosfera de Vénus estão a ser adaptados para o estudo de outros corpos do Sistema Solar. É investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e do Departamento de Física da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Isabel Abreu
Isabel Abreu é bioquímica e estuda a forma como as plantas se conseguem adaptar a alterações no ambiente (quantidade de água, nutrientes e luz solar) através da regulação das proteínas que controlam quase todos os processos biológicos. É Investigadora Principal no Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier da Universidade Nova de Lisboa, onde lidera o Laboratório de Regulação do Proteoma em Plantas.

Sessão 4: Para Além de Marte

Ciclo Marte 2030

©ESOM.Kornmesser

©ESOM.Kornmesser

Depois de Marte, para onde queremos ir? Que outros lugares no Sistema Solar poderemos tentar habitar?  Testar a capacidade humana de viver fora do seu lugar de origem e explorar para lá de novas fronteiras são talvez as principais razões para irmos ainda mais longe. Terão as gerações futuras uma colónia à sua espera num dos exoplanetas que hoje estamos a descobrir?
No final da conversa haverá observações astronómicas com telescópios, sujeita às condições meteorológicas.

Oradores
Nuno Santos (Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, Faculdade de Ciências da Universidade do Porto)
Ricardo Louro (Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier, Universidade Nova de Lisboa)
Moderação Sara Sá (Visão)

Coordenação: João Retrê (IA) e Joana Lobo Antunes (ITQB NOVA)

Coprodução CCB/ITQB NOVA – Instituto de Tecnologia Química e Biológica/Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço

Nuno Santos
Nuno Santos é especialista na procura e no estudo de planetas que orbitam outras estrelas que não o Sol, os exoplanetas. Constituiu em Portugal uma equipa que trabalha na pesquisa destes mundos distantes e que procura um planeta semelhante à Terra. É investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e do Departamento de Física e Astronomia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.

Ricardo Louro
Ricardo Louro é químico-biológico e dedica-se ao estudo dos processos moleculares essenciais à obtenção e transferência de energia pelos seres vivos. Está a trabalhar para que se possa tirar partido da capacidade de bactérias para fornecer energia em condições extremas e inóspitas no nosso planeta, onde a eletricidade tradicional não chega. É Investigador no Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier da Universidade Nova de Lisboa, onde lidera o Laboratório de Bioquímica Inorgânica e RMN.

Publicado na página do Centro Cultural de Belém – Ciclo Marte 2030