Um dos melhores projetos da Maker Faire Rome deste ano é português. Tauan Bernardo, criador do Re.PET, levou a Roma um projeto de reciclagem de plástico PET, ao pavilhão dedicado à economia circular em representação do OPOLab. Uma tecnologia que seduziu os visitantes e júri da Faire. Foi distinguido com a Fita Maker of Merit, prémio informal para os melhores projetos apresentados em Maker Faire.

O Bit2Geek esteve presente na Maker Faire Rome 2018. Ao longo dos próximos dias, traremos aos nossos leitores alguns dos momentos e projetos desta que é o maior encontro europeu da cultura maker.

Re.PET: Reciclar Para Garantir o Futuro

Máquina de reciclagem e reaproveitamento de plástico PET (Tauan Bernardo).

A proliferação dos plásticos tem sido apontada como uma das maiores ameaças ecológicas contemporâneas. Gerir os desperdícios, encontrar formas de reciclar e reutilizar, são desafios. É nessa vertente que o Re.PET se situa, com máquinas concebida para reaproveitar resíduos de plástico PET, criando materiais que podem ser novamente utilizados em produtos.  Um projeto criado no fablab Opolab, com apoio da Câmara Municipal do Porto. Foram utilizadas para processar cerca de dez mil garrafas de plástico PET, obtendo material para criar três mil capas para a agenda circular do Porto.

Tauan Tacchini Bernardo: Maker of Merit (foto: Tauan Bernardo)

Este projeto foi criado por Tauan Tacchini Bernardo. Vindo de S. Paulo, onde ajudou a fundar o Garagem Fablab, este maker vive no Porto, onde colabora com o Porto Design Factory da Universidade do Porto e o falab Opolab. Recentemente, ajudou a fundar, também  no Porto, o V!valab, um fablab pensado para os domínios da educação. A presença do projeto na Maker Faire Roma teve o apoio do OPO’Lab e Câmara Municipal do Porto

Uma Casa de Garrafas PET

Abrigo modular em PET reciclado

O átrio lateral do pavilhão 6, dedicado à economia circular, foi dominado por uma enorme estrutura modular constituída por garrafas de plástico, agregadas como tijolos. Uma instalação que remetia para casa ou abrigo, e que despertou a atenção dos visitantes do evento. Um projeto italiano, que mostrou outra forma de reciclar plástico PET em circuitos de economia circular.

A economia circular assenta na procura de soluções sustentáveis, eficazes e modernas de reciclagem de materiais. Afasta-se dos paradigmas da reciclagem industrial, introduzindo diversos ciclos de reutilização na vida útil dos objetos, e posterior reciclagem. Mais do que usar e reciclar, aposta no reparar, reutilizar e partilhar, até reiniciar o ciclo de reciclagem para materiais que servirão para fabricação de novos produtos. Inovação em toda a cadeia de produção, uso e reutilização. Na Maker Faire Rome 2018, esta vertente entre a economia, ambientalismo e cultura maker teve um grande destaque.

 

Artigo anteriorHolograma: da princesa Leia à Amy Winehouse
Próximo artigoLOP-G Gateway: O primeiro passo para colonizar a Lua foi ontem
Professor de TIC e coordenador PTE no AEVP onde dinamiza os projetos As TIC em 3D, LCD - Clube de Robótica; Fab@rts: o 3D nas Mãos da Educação, distinguido com prémio de mérito da Rede de Bibliotecas Escolares. Distinguido com o prémio Inclusão e Literacia Digital em 2016 (FCT/Rede TIC e Sociedade). Licenciado em ensino de Educação Visual e Tecnológica, Mestre em Informática Educacional pela Universidade Católica Portuguesa. Correntemente, frequenta pós-graduação em Programação e Robótica na Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Tutor online na Universidade Aberta. Formador especializado em introdução à modelação e impressão 3D em contextos educacionais na ANPRI (Associação Nacional de Professores de Informática) e CFAERC. Co-criador do projeto de robótica educativa open source de baixo custo Robot Anprino. Colaborador do fablab Lab Aberto, em Torres Vedras. O seu mais recente projeto é ser um dos coordenadores do concurso 3Digital, que estimula a utilização de tecnologias 3D com alunos do ensino básico e secundário.