SpaceX Boeing
Crédito: SpaceX

Os fatos espaciais são desenhados para ter a melhor performance possível quando estamos num ambiente hostil, como é o Espaço. E assim sendo, porque é que os “trajes” espaciais para as tripulações comerciais são diferentes? Recentemente o Programa de Tripulações Comerciais da NASA viu dois trajes espaciais serem desenhados de forma diferente: um para a tripulação da Boeing Starliner e outro para a tripulação da Crew Dragon da SpaceX.

A evolução dos fatos espaciais

A evolução dos fatos espaciais começou naturalmente no século passado, quando o astronauta americano Alan Shepard posou para uma fotografia num fato prateado em 1963, e durante essa década foram patenteados alguns modelos que nunca chegaram a ser utilizados. E houve fatos espaciais estranhissimos, como os fatos ligados a “ar-condicionado” portátil (os astronautas tinham que carregar uma caixa, consigo), para evitar o sobreaquecimento – como foi o caso da tripulação da Gemini 3, em 1964.

Possivelmente os fatos espaciais mais conhecidos foram os usados por Neil Armstrong e Edwin “Buzz” Aldrin durante a alunagem em 1969, pelo número abundante de fotografias que vemos na Internet. Esse fato é também parecido com o do astronauta Bruce McCandless quando em Abril de 1983 se deixou fotografar “sentado” no Espaço.

As fotos de todos estes fatos podem ser encontrados numa galeria da National Geographic, neste link.

O Programa de Tripulações Comerciais

E depois disso vieram os fatos cor de abóbora, e que começaram, a ser utilizados na era dos Vaivéns Espaciais…

SpaceX Boeing fatos
Crédito: NASA

Foi com o Programa de Tripulações Comerciais (CCP) da NASA que os fatos mudaram de cor e passaram a ser azuis e brancos e tão espectaculares como as empresas que os produziram: A Boeing e a SpaceX. O facto de serem empresas “contratadas” pelo Commercial Crew Program, garantiu-lhes a liberdade de escolher como se equipavam.

A Boeing foi a primeira a revelar o seu fato espacial em 2017 com o ex-astronauta da NASA, Christopher Ferguson, um veterano de três voos em órbita, exibindo o design azul exclusivo para os voos da CCP da empresa. Terá sido escolhido a cor azul por supostamente ser um símbolo de força e segurança, características necessárias para um futuro “pioneiro”.

SpaceX NASA Boeing
Crédito: NASA/Boeing

E será este o fato que vai ser utilizado a bordo do CST-100 Starliner.

O CST-100 STARLINER:

Voltando ao laranja-abóbora…

Tal como explicámos, a cor laranja-abóbora só começou a ser utilizada pela NASA por altura dos vaivéns espaciais. Esta cor não foi utilizada anteriormente, muito embora tenha sido a cor escolhida pelo visionário Stanley Kubrick no seu filme 2001 – Odisseia no Espaço, como a cor de eleição para os seus astronautas “do futuro”. Curiosamente este filme foi realizado em 1968 (ou seja, antes da alunagem da missão Apollo). Contudo, na cena mais conhecida deste filme, a desactivação do computador Hal 9000, o astronauta “Dave” usa um facto cor de abóbora para reentrar na nave espacial.

De facto a cor laranja dos fatos espaciais da NASA foi selecionada para aumentar a visibilidade contra o azul e o branco do oceano terrestre, e para o caso de poder haver algo que corresse mal e fosse necessário uma missão de salvamento da tripulação.

Portanto quando a Directora de Operações da SpaceX, Gwyne Shotwell se preparava para revelar também em 2017 o fato espacial que seria adoptado pela SpaceX no CCP, alguém perguntou antes do tempo: “Não é azul, pois não?”

Estes fatos foram desenhados para serem confortáveis e de fácil manutenção dentro do Crew Dragon, e portanto são bastante mais elegantes que os utilizados durante as missões da NASA em missões anteriores, sendo que a diferença que ressalta á vista é de serem brancos…

Se formos rigorosos trata-se apenas de uma questão de Marketing das empresas, porque se estas desejarem criar os próprios fatos, são obrigadas a cumprir as directivas da NASA. Caso contrário não poderão voar para o Espaço.

Contudo os fatos espaciais já não são o principal meio de segurança dos astronautas, mas sim o próprio veículo que os transporta. Por exemplo o CST-100 Starliner da Boeing está equipado com um farol luminoso, rádios de sobrevivência e um salva-vidas de cor laranja  para atrair a atenção das forças de resgate.

A Dragon da SpaceX:

Actualmente conseguimos encontrar no site da SpaceX a seguinte explicação: “Atualmente a Dragon transporta carga para o espaço, mas foi projetada desde o início para transportar seres humanos. Como parte do Programa de Tripulações Comerciais da NASA, a SpaceX está actualmente a desenvolver os ajustamentos que permitirão que o Dragon transporte tripulação. O primeiro voo de demonstração deste programa está previsto para janeiro de 2019.

Ou seja, mudando a cor, estamos basicamente a falar da mesma coisa…

***Aceite a sugestão do Bit2Geek e leia O Futuro é enviar um submarino da Nasa para lua Titã, lua de Saturno