É bem provável que sim. Na era da tecnologia, quando andamos muito tempo a pensar num assunto, acabamos por encontrar uma maneira segura e eficaz de o fazer. E andamos a pensar em fatos voadores há mais de 60 anos…

60 anos?!?!?!?

jetpackThe Jetsons foi uma série de desenhos animados produzida por Hanna-Barbera Productions, Inc. Essa série foi exibida originalmente no Brasil em 1962, e assumia-se como uma espécie de Flintstones da Era Espacial…

Nessa série o personagem principal, o chefe de família George Jetson, aparecia muitas vezes usando um “JetPack” ou aparelho do tipo mochila, que lhe permitia voar.
Ora essa imagem fez mais “estragos” do que alguma vez se possa pensar… Muitos anos mais tarde o “James Bond” começou a usar JetPack, e o Super Bowl também já abre com espectáculos de artistas com Jetpack.

O que a nós nos parece agora ser lúdico, foi no entanto pensado por alguns para ser adaptado à Guerra do Vietnam. Os militares norte-americanos não encararam a imagem dos Jetsons como parte da cultura Pop. E como tal a Bell Aerosystems começou em 1967 a desenvolver planos para construir um LMS – Light Mobility System, ou seja um “JetPack” para poder ser usado em combate.

No final de 1968 a Bell Aerosystems tinha construído o “JetBelt”, um dispositivo movido a jacto que chegou a realizar 3000 provas de voo. Talvez não tenha vingado porque entretanto apareceram os primeiros drones, e esta tecnologia era para ser usada em missões de reconhecimento…

jetpack
Crédito: Bell Aerosysteams

Segundo um relatório da altura, o JetBelt era um “sistema capaz de operar numa distância maior em menos tempo do que é possível a patrulha de reconhecimento terrestre”. E seria também um “meio mais eficaz de determinar e verificar informações de intelligence, bem como realizar missões como o fornecimento de segurança a pontos e flancos de elementos móveis.”

O JetBelt ou Bell Rocket Belt, o “device” de “Reconhecimento ou Hit-and-Run Missions”, acabou por não vingar. Eventualmente porque se os soldados estivessem armados, o recuo das armas faria com que estes pudessem começar a girar descontroladamente no ar até se despenharem…

A imagem portanto do clássico filme de 1979, Apocalypse Now, com os helicópteros sobrevoando áreas de combate ao som de “Ride of the Valkyries”, mas desta feita substituído por soldados com JetBelt, nunca chegou a acontecer…

Jetpack
crédito: Bell Aerosystems

Porém a possibilidade de transportar facilmente equipamento, poder facilmente fazer o reconhecimento de uma área e poder ser usado tanto para defesa com em acções ofensivas (de um ponto de vista militar), bem como melhorar as comunicações e poder fornecer informação privilegiada (Intelligence), faz com que o JetBelt nunca tenha de facto sido esquecido…

No relatório que a Bell Aerosystems enviou ao Governo, o LMS (JetPack) tinha aliás a vantagem de poder ser tanto utilizado para uma guerra de propaganda, como para uma guerra química ou ainda para combate a incêndios, graças á sua grande velocidade e mobilidade…

Jetpack
Crédito: Bell Aerosystems

A Bell Aerosystems concentrou-se no facto de esta tecnologia se enquadrar no “sistema de resposta rápida” desejado pelas tropas americanas.

A ideia de encarar o JetBelt como uma tecnologia viável acabou por ser abandonada, porque não só requeria uma quantidade grande de combustível como também o tempo de operação era muito limitado…

Contudo encontramo-nos numa altura de transição energética, e o relatório da Bell Aerosystems tornou-se há pouco tempo público

Alguns dos argumentos aqui mencionados fazem alguns questionar-se sobre a sua aplicação na exploração espacial, por exemplo…

Jetpack
Crédito: Bell Aerosystems

A verdade é que nós parámos um pouco, depois das missões à Lua. Os astronautas passaram a estar confinados ao espaço da International Space Station… Passado muitos anos das missões à Lua, começamos agora a voltar a entrar na era do “astronauta explorador”… Começamos a ter ambições de conquistar outros planetas, colonizar Marte, etc…

O “JetPack”, o Jetbelt, o LMS, ou que lhe queiram chamar tem estado adormecido… Penso que este é um assunto que vai voltar à baila, pela facilidade e margem de manobra que nos permite ter na exploração espacial planetária…

Apenas acho que só se voltará a falar nele quando aparecerem baterias eléctricas mais duradouras… Mas já não deve faltar muito tempo para isso!

***Aceite a sugestão do Bit2geek e leia Vodafone e Nokia vão criar rede 4G na Lua. E vamos ver directos em HD.