Soubemos das novidades sobre o Programa Artemis por um “tweet” do Presidente Trump anteontem ao final da tarde: NASA vê o seu orçamento ratificado para 1,6 mil milhões $US para forçar o “Push” para Lua 2024.

Desde que o Vice-Presidente Mike Pence desafiou a NASA no Marshall Space Flight Center em Huntsville no Alabama, a pousar o próximo homem e a primeira mulher na Lua, 4 anos antes do esperado, que a NASA tinha começado a trabalhar numa retificação de orçamento, a FY 2020 (Fiscal Year 2020 – NASA), deslocando inclusivamente fundos de outros programas em execução.

E portanto bastou apenas a confirmação num tweet, que é bastante claro: “Sob a minha Administração, estamos a reorganizar a NASA para a grandeza e estamos a ir para a Lua e depois para Marte. Actualizei a minha solicitação de orçamento para incluir mais US $ 1,6 mil milhões para que possamos retornar ao espaço em GRANDE!”.

Independentemente das análises políticas, a questão prende-se apenas com a autorização de fundos que foi concretizada. O pedido inicial a 11 de Março de 2019, a NASA tinha destinado 21 mil milhões, correspondendo a menos 500 milhões do que para o FY 2019. Pretendia-se com isto principalmente finalizar o SLS e calmamente preparar a missão Lua 2028. Mas foi a revolução: Nas últimas 7 semanas a NASA andou a fazer contas de quanto precisaria para acelerar o SLS Moon (foguete arranha-céus) para a missão Lua 2024. E ontem veio a confirmação: vão haver fundos para apoiar este esforço!

E o Gateway?

Não há outra prioridade até 2024: todas as viagens para a ISS (International Space Station) continuarão a ser compradas a privados, o Lunar Gateway vê o seu orçamento reduzido em 321 milhões $US e o SLS (o foguete lançador) e a cápsula Orion (o módulo tripulado), vão receber uns adicionais 651 milhões $US.

Programa Artemis
Configuração do Gateway Créditos: NASA

Além disso a área de Exploration Technology vai ver aumentado o seu orçamento em 132 milhões $US e a área de Science em 90 milhões $US. a Ideia é promover capacidades base como a propulsão eléctrica solar, conversão do gelo polar em água (a missão Artemis é dirigida ao Polo Sul da Lua), e exploração robótica.

O Administrador da NASA, Jim Bridenstine, já assumiu que este aumento terá que ser contínuo até 2024 para que a NASA consiga avançar com segurança “fora de portas”, pelo que se espera agora que sem surpresas este orçamento seja aprovado pelo Congresso.

A Directiva-1 de Política Espacial da Casa Branca orientou a NASA para com o apoio de parceiros comerciais e internacionais regressar à Lua, colonizando-a através da utilização de recursos lunares.

Programa Artemis – Lua em 2024, para ficar!

Em concreto, o Programa Artemis vai ocorrer em 3 fases: Missão de Exploração 1 (EM-1) que provavelmente não ocorrerá antes de 2021 (Orion não-tripulado). O EM-2 que seria o primeiro “Orion tripulado” e daria uma trajetória de retorno livre ao redor da Lua em 2022 ou 2023. E finalmente em 2024 a EM-3 enviaria as primeiras pessoas para o Gateway, onde dois ou mais usariam o sistema de sonda acoplado para voar para a superfície lunar.

Além disso, no discurso de dia 13 deste mês, onde Jim Bridenstine falou sobre o apoio do Presidente Trump (1,6 mil milhões $US), tornou também público o nome do Programa Lua em 2024, e que será Artemis (Deusa grega irmã de Apollo. Foi o Programa Apollo que colocou o primeiro homem na Lua).

***IMPORTANTE***

Não se esqueça de ajudar o Bit2Geek a crescer nas redes sociais, para termos mais colaboradores e mais conteúdo, 👍? A sua ajuda muda tudo!

 

***E clique em baixo para saber mais

Rodas reconfiguráveis já existem, e podem ser boas para outros planetas.