bioimpressão córnea

Investigadores sul-coreanos deram mais um passo importante na investigação sobre produção de córneas artificiais bioimpressas. Desenvolveram uma técnica de impressão 3D utilizando um material derivado de tecido de córneas, que permite obter tecido bioimpresso com transparência similar ao da córnea natural. Uma técnica que permitirá ultrapassar a dificuldade de doações em operações de transplante ocular.

Medicina Ocular, Córneas e Bioimpressão 3D

bioimpressão córnea
Comparação entre tecido de córnea implantado natural e bioimpresso.

A grande dificuldade deste tipo de impressão 3D com bio materiais é que a córnea precisa de ser transparente e cristalina. Até agora, o uso de materiais biocompatíveis não permitia obter o nível de transparência necessário. Os cientistas da Pohang University of Science and Technology e da Kyungpook National University School of Medicine, desenvolveram uma nova técnica de impressão 3D. Esta utiliza nozzles capazes de aplicar forças de tensão de cisalhamento ao biomaterial.

Usaram como material de impressão tinta biológica de fibras de colagénio formada por matrizes extracelulares decelularizadas de córnea. Durante a impressão 3D, o alinhamento das fibras de colagénio segue o da tensão induzida pelo nozzle. Ajustar os parâmetros permite controlar a direção da formação do tecido. Com esta técnica, os investigadores conseguiram imprimir tecido com estrutura similar  à da córnea humana. Ainda falta desenvolver mais investigação para que esta técnica se torne de uso médico. No entanto, a possibilidade de utilizar impressão 3D em transplantes oculares está mais próxima.

***IMPORTANTE***

Não se esqueça de ajudar o Bit2Geek a crescer nas redes sociais, para termos mais colaboradores e mais conteúdo, 👍? A sua ajuda muda tudo!

 

***E clique em baixo para saber mais…

Imprimir Pele Sobre Feridas, e Outros Avanços da Bioimpressão 3D

Artigo anteriorÍndia: Gateway indiano Low-cost até 2022 e concorrência à SpaceX
Próximo artigoO interessante Polo Sul da Lua e a construção de uma base lunar.
Professor de TIC e coordenador PTE no AEVP onde dinamiza os projetos As TIC em 3D, LCD - Clube de Robótica; Fab@rts: o 3D nas Mãos da Educação, distinguido com prémio de mérito da Rede de Bibliotecas Escolares. Distinguido com o prémio Inclusão e Literacia Digital em 2016 (FCT/Rede TIC e Sociedade). Licenciado em ensino de Educação Visual e Tecnológica, Mestre em Informática Educacional pela Universidade Católica Portuguesa. Correntemente, frequenta pós-graduação em Programação e Robótica na Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Tutor online na Universidade Aberta. Formador especializado em introdução à modelação e impressão 3D em contextos educacionais na ANPRI (Associação Nacional de Professores de Informática) e CFAERC. Co-criador do projeto de robótica educativa open source de baixo custo Robot Anprino. Colaborador do fablab Lab Aberto, em Torres Vedras. O seu mais recente projeto é ser um dos coordenadores do concurso 3Digital, que estimula a utilização de tecnologias 3D com alunos do ensino básico e secundário.