Aquanaut

A robótica submarina é um campo de investigação em crescente desenvolvimento. Os investigadores apostam em mecanismos cada vez mais autónomos, e com maiores capacidades de manipulação em ambientes hostis. A Houston Mechatronics deu um passo ainda mais longe com o Aquanaut. Este novo robot  versátil e multifunções inclui características autónomas.

Aquanaut: Autonomia Submarina

À primeira vista, este parece um típico ROV, projetado para mergulho a grandes profundezas. Uma impressão que se desvanece mal os braços robóticos do Aquanaut saem da sua carapaça. Graças a eles, o robot ganha uma capacidade manipulativa que vai além da tecnologia de braços mecânicos dos ROV tradicionais. O projeto está a ser desenvolvido por uma equipa de engenheiros de robótica experientes, que trabalhou em diversos projetos de robótica da NASA. O Aquanaut pode funcionar em quatro configurações. A caminho do local onde irá intervier, a sua carapaça fecha-se numa forma hidrodinâmica, melhorando o seu desempenho e rapidez debaixo de água. No local, esta abre-se, revelando os braços robóticos e uma cabeça que contém sensores tridimensionais, sonar e câmaras estéreo.

Para além destes equipamentos, a outra grande diferença do Aquanaut é a sua autonomia. ao contrário dos ROV tradicionais, não necessitará de um cabo umbilical para desempenhar tarefas. O robot é autónomo, podendo ser remotamente operado através de sinais enviados por modem acústico. Será capaz de intervir em locais submersos até 300 metros de profundidade.

Este tipo de robots é já hoje utilizado em vários campos. A ciência e investigação oceânicas são as mais visíveis. Mas indústrias como a do petróleo ou telecomunicações necessitam muito destes equipamentos. Para fazer manutenção em instalações submersas, reparar avarias ou inspecionar elementos em profundidades nas quais é perigoso ou impraticável enviar mergulhadores. Já utilizam extensivamente ROVs, mas requerendo uma pesada estrutura de suporte com técnicos e embarcações especializadas. As capacidades inovadoras do Aquanaut vão permitir a estas indústrias desempenhar estas tarefas, com menores custos e maior eficácia.

***IMPORTANTE***

Não se esqueça de ajudar o Bit2Geek a crescer nas redes sociais, para termos mais colaboradores e mais conteúdo, 👍? A sua ajuda muda tudo!

 

***E clique em baixo para saber mais…

Sonharão os Homens com Animais Elétricos?

Artigo anteriorSabia que… Este Avião Aterra Sozinho?
Próximo artigoChernobyl, Rovers lunares soviéticos e o futuro da exploração espacial
Professor de TIC e coordenador PTE no AEVP onde dinamiza os projetos As TIC em 3D, LCD - Clube de Robótica; Fab@rts: o 3D nas Mãos da Educação, distinguido com prémio de mérito da Rede de Bibliotecas Escolares. Distinguido com o prémio Inclusão e Literacia Digital em 2016 (FCT/Rede TIC e Sociedade). Licenciado em ensino de Educação Visual e Tecnológica, Mestre em Informática Educacional pela Universidade Católica Portuguesa. Correntemente, frequenta pós-graduação em Programação e Robótica na Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Tutor online na Universidade Aberta. Formador especializado em introdução à modelação e impressão 3D em contextos educacionais na ANPRI (Associação Nacional de Professores de Informática) e CFAERC. Co-criador do projeto de robótica educativa open source de baixo custo Robot Anprino. Colaborador do fablab Lab Aberto, em Torres Vedras. O seu mais recente projeto é ser um dos coordenadores do concurso 3Digital, que estimula a utilização de tecnologias 3D com alunos do ensino básico e secundário.