Vantablack

Se não fosse pelas luzes e reflexos nas jantes e vidros, este BMW poderia ser quase completamente invisível à noite. Numa iniciativa publicitária, a empresa de automóveis pintou um BMW X-6 com Vantablack, o pigmento mais escuro que existe. Esta cor é de um negro tão profundo que parece desafiar a nossa perceção.

Vantablack: Preto Absoluto

Um veículo destes a circular na estrada seria muito perigoso. Este pigmento torná-lo-ia, nalgumas condições de luminosidade, praticamente invisível ao nosso olho. O pigmento Vantablack foi criado pela Surrey NanoSystems, e reflete apenas cerca de 1% da luz que recebe. Esta capacidade dá-lhe uma tonalidade negra extremamente profunda, impedindo-nos de percecionar a profundidade e volumetria de um objeto. Este pigmento é constituído por uma rede de nanotubos de carbono em alinhamento vertical. O material converta quase toda a luz que recebe em calor. 

O pigmento Vantablack tem normalmente utilizações científicas e arquitetónicas, tendo também sido usado nalguns projetos artísticos pela capacidade desconcertante do seu negro profundo, melhor descrito como o olhar para um buraco negro. A aplicação como tinta num veículo foi um golpe de publicidade da BMW para o Salão Autómovel de Frankfurt. Não se prevê que este seja um pigmento aplicado a modelos de série, pela óbvia periculosidade da circulação de um veículo que em condições de luminosidade normais não se consegue perceber a forma, e no escuro seria quase invisível.

***IMPORTANTE***

Não se esqueça de ajudar o Bit2Geek a crescer nas redes sociais, para termos mais colaboradores e mais conteúdo, 👍? A sua ajuda muda tudo!

 

***E clique em baixo para saber mais…

Rodas reconfiguráveis já existem, e podem ser boas para outros planetas.

Artigo anteriorSabia Que.. Este Robot Precisa De Amigos?
Próximo artigoA Starship de Elon Musk é mesmo uma nave para explorar Marte?
Professor de TIC e coordenador PTE no AEVP onde dinamiza os projetos As TIC em 3D, LCD - Clube de Robótica; Fab@rts: o 3D nas Mãos da Educação, distinguido com prémio de mérito da Rede de Bibliotecas Escolares. Distinguido com o prémio Inclusão e Literacia Digital em 2016 (FCT/Rede TIC e Sociedade). Licenciado em ensino de Educação Visual e Tecnológica, Mestre em Informática Educacional pela Universidade Católica Portuguesa. Correntemente, frequenta pós-graduação em Programação e Robótica na Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Tutor online na Universidade Aberta. Formador especializado em introdução à modelação e impressão 3D em contextos educacionais na ANPRI (Associação Nacional de Professores de Informática) e CFAERC. Co-criador do projeto de robótica educativa open source de baixo custo Robot Anprino. Colaborador do fablab Lab Aberto, em Torres Vedras. O seu mais recente projeto é ser um dos coordenadores do concurso 3Digital, que estimula a utilização de tecnologias 3D com alunos do ensino básico e secundário.