~klm
Filamento PET-G produzido a partir da reciclagem de garrafas.

De garrafas de plástico a ferramentas de manutenção de aeronaves. Este projeto surpreendente de economia circular vem da KLM, a companhia de aviação holandesa. Reciclam garrafas de plástico, que são transformada em filamento para impressão 3D.

KLM: Do Desperdício à Ferramenta

A KLM já utiliza impressão 3D em vários domínios das suas operações. A mais visível é a impressão de pequenos objetos de brinde para os seus clientes. A mais interessante é o uso de peças impressas em 3D na manutenção de aeronaves. Não nas aeronaves em si, mas na impressão de ferramentas, ou prototipagem de engenharia. Este passo seguinte é lógico. Como qualquer companhia aérea, a KLM recolhe anualmente várias toneladas de plástico PET em garrafas nos seus aviões. Este material é bem conhecido por quem está ligado à impressão 3D por ser fácil de reciclar, permitindo a transformação das garrafas em filamento de impressão. Em portugal, o projeto Precious Plastic é uma iniciativa nesta vertente.

O processo de reciclagem da KLM envolve a intervenção de algumas empresas. A  Morssinkhof Rymoplast é responsável pela recolha das garrafas de plástico e o seu processamento para grânulos. Estes são convertidos para filamento pela Reflow. A KLM utiliza impressoras Ultimaker para usar o filamento PET-G produzido neste circuito, em aplicações de engenharia de manutenção de aeronaves. Para além dos ganhos ambientais, a KLM diminui custos. Reclando o plástico das garrafas baixou o custo dos materiais de impressão 3D para 17€/kg, ao invés do preço de mercado holandês de 60€/kg. Uma redução apreciável, uma vez que os seus departamentos de manutenção usam cerca de 1,5kg de filamento por dia.

***IMPORTANTE***

Não se esqueça de ajudar o Bit2Geek a crescer nas redes sociais, para termos mais colaboradores e mais conteúdo, 👍? A sua ajuda muda tudo!

***E clique em baixo para saber mais…

As Indústrias de Defesa e a Impressão 3D

Artigo anteriorPoderão ser estas as primeiras imagens de vida em Marte?
Próximo artigoNASA prepara missão de ida e volta a Plutão e à lua Caronte
Professor de TIC e coordenador PTE no AEVP onde dinamiza os projetos As TIC em 3D, LCD - Clube de Robótica; Fab@rts: o 3D nas Mãos da Educação, distinguido com prémio de mérito da Rede de Bibliotecas Escolares. Distinguido com o prémio Inclusão e Literacia Digital em 2016 (FCT/Rede TIC e Sociedade). Licenciado em ensino de Educação Visual e Tecnológica, Mestre em Informática Educacional pela Universidade Católica Portuguesa. Correntemente, frequenta pós-graduação em Programação e Robótica na Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Tutor online na Universidade Aberta. Formador especializado em introdução à modelação e impressão 3D em contextos educacionais na ANPRI (Associação Nacional de Professores de Informática) e CFAERC. Co-criador do projeto de robótica educativa open source de baixo custo Robot Anprino. Colaborador do fablab Lab Aberto, em Torres Vedras. O seu mais recente projeto é ser um dos coordenadores do concurso 3Digital, que estimula a utilização de tecnologias 3D com alunos do ensino básico e secundário.