Robótica, Inteligência Artificial, Robôs

*Este artigo sobre Robôs Inteligentes e Inteligência Artificial escrito pelo Professor Pedro Lima, foi publicado pelo nosso parceiro Sapo 24, a 5 de Dezembro.

Este é o meu primeiro artigo neste espaço, pelo que espero que me permitam uma pequena reflexão tecnológica e ética antes de partir para os habituais posts sobre assuntos atuais.

Vivemos um tempo em que o simples facto de se levantar preocupações éticas sobre os sistemas robóticos desenvolvidos por centros de investigação e empresas internacionais é um sinal, em si mesmo, de que a perceção da opinião pública e dos cidadãos é a de que tais sistemas começam a exibir características que tornam a sua inserção na sociedade, bem como as suas capacidades, credíveis. No entanto, o nível de desenvolvimento tecnológico demonstrado na realidade por tais sistemas é parte do problema em discussão, uma vez que, em alguns casos, esse nível não se revela suficientemente elevado para justificar tais preocupações.

Em qualquer dos casos, as questões éticas que têm vindo a invadir o espaço de discussão pública são, de forma geral, interessantes e relevantes, merecendo uma abordagem séria. O estado de alguma imaturidade desta discussão, que é compreensível dada a sua novidade relativa, leva a que assuntos de natureza distinta sejam frequentemente associados a problemas éticos resultantes da perceção de que os robôs estão a invadir o nosso dia-a-dia. Há, no entanto, que distinguir várias categorias em que tais problemas podem ser divididos, ainda que possamos enfermar da mesma falta de maturidade que a infância do assunto em discussão acarreta:

  • Ética da tomada de decisão: como deve reagir um robô autónomo na presença de situações em que qualquer das suas decisões implica danos aos humanos com os quais está a lidar? E qual o impacto na determinação da responsabilidade legal de tais decisões?
  • Ética social: qual o impacto no emprego, na autoestima e/ou no comportamento dos humanos em consequência da introdução massiva de robôs na sociedade? E, caso um dia os robôs se confundam com humanos, ou animais, no sentido de ter a sua própria identidade, devem também os seus direitos ser socialmente protegidos? Como?
  • Ética na saúde: devem robôs autónomos ser envolvidos em cuidados de saúde, desde o acompanhamento de idosos ou crianças até a intervenções cirúrgicas? E qual o impacto da progressiva introdução de dispositivos biónicos (próteses, exo-esqueletos) em humanos, que poderá levar um dia à dificuldade da distinção entre humano e robô?

Existem outras categorias possíveis, como as relativas à segurança dos cidadãos, proteção da privacidade ou proteção da propriedade intelectual, mas não nos debruçaremos aqui sobre elas.

No enunciado das categorias sob a nossa atenção, foi usado o termo “robô autónomo”. Embora não exista uma definição universalmente aceite de autonomia para robôs, propomos aqui uma definição que captura várias ideias comuns a muita da literatura disponível sobre este assunto, para que tenhamos uma referência na discussão realizada no resto deste artigo:

Um robô autónomo é um sistema corporificado, dotado de sensores para apreender o mundo envolvente, de atuadores que lhe permitam agir sobre esse mundo (incluindo possivelmente a interação com outros robôs, animais e/ou humanos), e de capacidade de tomada de decisão independente de controlo externo, nomeadamente por humanos.

Embora se trate de um assunto delicado e sujeito a intenso debate filosófico, arriscamos a afirmar que a autonomia é uma condição necessária, mas não suficiente, para que um robô seja dotado de inteligência (no sentido da inteligência-máquina). Neste sentido, a inteligência-máquina requer, para além da autonomia, a capacidade de um robô adaptar os seus comportamentos e ações ao mundo envolvente, e de aprender autonomamente novos comportamentos e ações.

Esta distinção é entendida aqui como relevante, porque uma confusão frequente no debate público sobre as questões éticas levantadas pela “invasão” dos robôs consiste em considerar sistemas dotados de inteligência artificial como robôs, e todos os robôs autónomos como inteligentes. A nosso ver o impacto ético destes vários sistemas é atualmente muito distinto, dado o nível tecnológico por eles atingido. Os sistemas não robotizados, dotados de inteligência artificial mas não suportados numa plataforma física que os corporifique, são de longe os mais avançados, e os que merecem atenção mais imediato relativamente a possíveis consequências da sua presença no nosso dia-a-dia.

Por outro lado, a investigação atual em robôs de serviços está muito focada em robôs que colaboram com humanos e não em robôs para substituir humanos. É assim que têm nascido robôs de busca e salvamento que colaboram com equipas da Proteção Civil, robôs que colaboram com médico(a)s e enfermeiro(a)s em hospitais, e rovers planetários que estendem o alcance da curiosidade humana em Marte.

***IMPORTANTE***

GOSTOU? Siga-nos para saber mais e não se esqueça de ajudar o Bit2Geek a crescer nas redes sociais, para termos mais colaboradores e mais conteúdo, 👍? A sua ajuda muda tudo! Obrigado

 

Outros artigos do Bit2geek no Sapo 24

***Não se esqueça de clicar em baixo para saber mais sobre robôs…

“Robots” já começaram a substituir os humanos, nos supermercados

***Ou então veja também este artigo:

Robots que lêem os nossos pensamentos, foram desenvolvidos pelo MIT!

 

Artigo anteriorCapturas na Rede – 7 de Dezembro: Da Tecnologia
Próximo artigoSabia Que… Tocando Num Botão, Este Avião Aterra Sem Piloto?
Pedro U. Lima é professor catedrático no Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores do Instituto Superior Técnico (IST), onde se licenciou e concluiu também o Mestrado pré-Bolonha em Engenharia Electrotécnica e de Computadores. Doutorou-se em Electrical Engineering no Rensselaer Polytechnic Institute, Troy, New York, USA, em 1994. É investigador no Instituto de Sistemas e Robótica do IST (ISR/IST), unidade do Laboratório Associado LARSyS, onde coordena o grupo de Robôs e Sistemas Inteligentes. Pedro Lima foi presidente e membro fundador do Sociedade Portuguesa de Robótica, Delegado Nacional para os programas da UE e da ESA em Robótica Espacial e distinguido com uma Cátedra de Excelência na Universidad Carlos III de Madrid, Espanha, em 2010. Na área do Espaço está envolvido no projeto INFANTE (para construir e lançar o primeiro satélite com tecnologia portuguesa), coordenou um projeto da ESA-Portugal Task Force em formações de satélites (2003-2005), e outro projeto da FCT sobre controlo de atitude de pequenos satélites (1997-2000). Tem tido grande atividade na promoção da investigação e desenvolvimento em Robótica através de competições internacionais e coordenou um dos dois projetos europeus pioneiros nessa área (RoCKIn), sendo também membro do Technical Advisory Board da Mohamed Bin Zayed International Robotics Challenge (MBZIRC), que tem lugar nos Emirados Árabes Unidos bianualmente. É atualmente Trustee da RoboCup Federation, e foi organizador do RoboCup2004, realizado em Lisboa. Está frequentemente envolvido em atividades de promoção da Ciência e Tecnologia em Portugal, incluindo a organização do Festival Nacional de Robótica desde 2001. Destaca-se, neste área, a participação como orador e comentador convidado na Conferência “Admirável Mundo Novo – o Futuro Chegou Cedo Demais?”, organizado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, na Casa da Música, Porto, 2015. Foi também orador convidado na Assembleia da República na Conferência "Era Digital e Robótica: Implicações nas Sociedades Contemporâneas", em 2017. http://users.isr.tecnico.ulisboa.pt/~pal/