tecnologias

Estamos naqueles momentos pré-natalícios. Para fugir do bulício das compras de última hora, ou para relaxar entre umas trincadelas em sonhos e outra doçaria de natal, cá estão as leituras recomendadas da semana. Desta vez, destacamos o perfil do escritor William Gibson e o lado negro dos contos de fadas. Olhamos para a Ciberguerra, cultura maker e inteligência artificial. Descobrimos a mais antiga pintura do mundo, e as peripécias de um antigo piloto da TAP. Das tecnologias à ficção, são as Capturas da semana.

Ficção Científica

Davis Meltzer: Confesso que não consigo perceber o que se passa aqui.

Review: Junji Ito Adapts “No Longer Human” into a Masterpiece of Existential Horror: Perdoem-me, mas sou fanboy, e tudo o que Ito toca é sinónimo de horror absoluto. Mais um livro que precisa de um lugar na minha biblioteca.

How William Gibson Keeps His Science Fiction Real: Um perfil impressionante de um autor de ficção científica cujo futurismo impressiona por ser uma lente distorcida sobre a bizarria do nosso mundo contemporâneo, de futuros que já existem mas não estão uniformemente distribuídos, e tecnologias do futuro próximo.

tecnologias

Hiroshi Manabe, early 70s: robots psicadélicos.

Dylan Dog/Batman #0 Gets a Wide Release With Added Stories Ahead Of 2020 Series: Bem, preciso de ir a Itália… mas como a Maker Faire é só em Outubro, se calhar é melhor ver se a loja online da Bonelli envia para Portugal. Porque um crossover entre dois dos meus personagens favoritos é imperdível. E nestas coisas, o pessoal do fumetti costuma ser mais cuidadoso com qualidade do que o dos comics.

Grant Morrison Roasts the Current State Of DC Comics – as Well as Bendis, King, Snyder, Azzarello and Himself in Green Lantern: Blackstars: É sempre interessante quando os criadores de comics olham para os estereótipos do género com bom humor.

Chesley Bonestell: Porque é um dos grandes mestres da ilustração de Ficção Científica.

Now That’s What I Call a  Bedtime Story: F*cked Up Fairytales of Yore: As histórias fofas de contos de fada e fábulas clássicas que contamos às crianças (e que são uma das principais fontes de receita dos estúdios Disney), são, na verdade, versões muito diluídas de narrativas pensadas para educar crianças aterrorizando-as. As versões originais dos tranquilos contos de fadas surpreendem pela sua violência, por vezes extrema. Havia uma razão para isso: proteger as crianças num mundo visto como inclemente.

List of popular books people started reading and then abandoned: Quem nunca? Recordo há uns anos ter atentado nas sábias palavras de um escritor mexicano que observou que se as primeiras cinquenta páginas de um livro não o captam, então não vale a pena ler mais. Porque há muitos livros e pouco tempo. Se bem que, por vezes, para ficar a conhecer melhor um campo ou para perceber porque é que um autor é mau, temos mesmo de levar o martírio até ao fim.

Histórias das Tecnologias

tecnologias

Great Images Found in “Popular Mechanics”, 1942: Podemos sempre contar com o blog deste livreiro especializado em livros raros para encontrar pérolas gráficas. Desta vez, sobre antigas tecnologias.

Robôs Inteligentes e Inteligência Artificial: a propósito de algumas reflexões éticas: Dos melhores artigos publicados no Bit2Geek recentemente. O primeiro de um conjunto de reflexões sobre inteligencia artificial.

3D Printing Can Keep Aging Air Force Aircraft Flying: Já se falou nisto no Bit2Geek, unidades de manutenção militar que usam impressão 3D para resolver problemas com falta de peças sobresselentes. Imprimir permite obter peças para as quais já não há linha de produção, ou preço excessivo devido à sua escassez. Os desafios estão nos materiais, que têm de ser capazes de aguentar os rigores do voo militar.

The Drums of Cyberwar: O combate invisível. Com as infraestruturas conectadas à internet e o alastrar da Internet das Coisas, aumentam os pontos de vulnerabilidade para hackers militares (ou paramilitares) atacarem alvos que, até há pouco tempo, necessitavam de ação militar direta, como bombardeamento ou sabotagem, para serem colocados fora de ação. Alvos como hospitais, centros de comunicação, centrais elétricas, enfim, todas as infraestruturas essenciais para a socieade contemporânea.

Best Screenplay Goes to the Algorithms: Não há aqui grandes surpresas. Os algoritmos de geração de texto também podem ser uma ferramenta de criação artística, nas mãos de escritores que não têm medo da computação e gostam de experimentar novas formas literárias.

Loes Bogers, Letizia Chiappini (eds.): The Critical Makers Reader: (Un)learning Technology (2019): Já está no eReader para leitura urgente. Desde que se iniciaram as Maker Faire em Portugal que me apercebi do potencial educacional da cultura maker para transformar a educação. Não como o caminho a seguir, a educação completa é feita de muitas vertentes de atuação, mas como mais uma enorme mais valia para as crianças e jovens. Aprender profundamente fazendo, mexendo diretamente com tecnologias complexas, não apenas o modelo instrucionista de ouvir o professor, estudar, fazer exercícios teóricos e despejar conhecimento de curto prazo.

Facebook sells off Oculus Medium to Adobe: O interesse na realidade virtual funciona em ondas, e claramente após um pico recente, está a decair. O que me interessou foi a aplicação de criação em si, que vai passar a fazer parte da Adobe.

Behind the One-Way Mirror: A Deep Dive Into the Technology of Corporate Surveillance: É uma leitura longa. Mas essencial para se conhecer os meios tecnológicos que estão por detrás do rastreamento automatizado de dados pessoais, que ultrapassa em muito o seu lado visível nas redes sociais. Sem lamentos, porque não é enfiando a cabeça na areia que se combatem estes desafios, mas a apontar estratégias de defesa contra estas imensas redes invisíveis que nos rastreiam das formas mais inusitadas. A EFF aborda com profundidade as diferentes técnicas que nos rastreiam os dados, permitindo às entidades envolvidas traçar perfis e localizar pessoas, quer no online quer no offline.

An Epidemic of AI Misinformation: Um problema que não é específico à inteligência artificial, mas à tecnologia em geral. Os anúncios de novas descobertas são geralmente demasiado otimistas, prometem mais do que as tecnologias realmente são capazes de fazer.

nefertiti bust joins digital age after secret 3D scans are finally revealed: Na verdade, digitalizações do busto de Nefertiti são fáceis de encontrar online (tenho uma no escritório, que não resisti a imprimir depois de ajudar o Lab Aberto a contribuir para o busto gigante de Nefertiti, criado a partir de uma rede de impressores 3D que contribuíram com peças para um puzzle gigante no Fab15). Traçam a sua origem a este ato de hactivismo nunca bem explicado (lamento, mas kinects e scanners 3D não são equipamentos discretos). Independentemente da origem do scan (provavelmente hackeado ao museu), a batalha foi real, entre um museu que se recusava a libertar os ficheiros para não perder potenciais vendas de reproduções na loja, e ativistas que apontavam para a necessidade de libertar um património cultural global. Agora, os ficheiros de alta qualidade estão legalmente disponíveis. Sabem o que isso quer dizer, não sabem? Hora de carregar filamento na impressora…

British Airways posts top ten predictions for the use of 3D printing in planes: mas não fiquem à espera de predições game changer tipo “aviões totalmente impressos em 3D”, antes é o uso de tecnologias de manufatura aditiva em áreas que vão de peças específicas a acessórios de cabina.

Instagram influencer sentenced to 14 years for violent plot to steal domain name: Isto parece completamente bizarro, até nos lembrarmos que ter o URL certo pode ser uma mina de ouro.

Model stealing, rewarding hacking and poisoning attacks: a taxonomy of machine learning’s failure modes: Depois de nos rirmos com a forma com a inteligência artificial falha no processamento de informação (varia entre o acidental e a batota intencional), o lado que nos obriga a pensar. Notem o efeito catastrófico se estes modelos com problemas são aplicados a decisões no mundo real. Se calhar, muitos dos algoritmos de IA que andam por aí têm este tipo de problemáticas.

Twitter is funding research into a decentralized version of its platform: Tipo, o mastodon? Face aos problemas que o discurso radical tem levantado nesta rede social, a resposta do Twitter é inventar a roda e começar a investigar aquilo que em essência é o fediverso?

Modernidade

World’s oldest hunting scene shows half-human, half-animal figures—and a sophisticated imagination: Absolutamente fascinante. Estes traços nas cavernas esquecidas são os únicos vestígios de um riquíssimo imaginário humano, para sempre perdido na noite dos tempos.

On His Holiness’s Service: Como arquiteto. Um perfil de Miguel  ngelo, o grande mestre do renascimento que nos legou a cúpula do Vaticano e a capela sistina.

Umberto Eco on the Elusive Concept of Ugliness: Se a beleza está no olhar de quem contempla, o feio puxa pelo visceral. Um ensaio estonteante de Eco, parte de um livro póstumo de ensaios a ser em breve publicado.

Why nation-states are good: Alvo contínuo do otimismo destrambelhado silicon valley ou de forças mais obscuras, o estado-nação e os seus serviços sociais são na verdade a garantia de infraestrutura que permite a globalização. O que deveria ser óbvio. Tentem lá globalizar e atingir os níveis de prosperidade estratoesféricos sem: vias de comunicação para mover bens e produtos, sistemas de saúde para manter a população viva e produtiva, meios de segurança para garantir que os fluxos de comércio não são assaltados pelo crime, ou educação para formar técnicos, investigadores, criadores e profissionais de todas as áreas.

CAFÉ NICOLA «A fachada de Norte Júnior (1929) e os interiores de Raul Tojal (1935) : E, no entanto, quantos lisboetas hoje visitam este espaço? O paradoxo do turismo garante que, se calhar, preferimos evitar estes marcos devido à sobrelotação com turistas.

Greed is deadGreed is good, dizia Gordon Gecko nessa condenação do capitalismo selvagem que é o filme Wall Street. Na verdade, sociedades construídas nas premissas do homem económico colapsariam facilmente. Cooperação, não competição desenfreada, é o que garante sociedades e lhes dá prosperidade. A teoria económica está finalmente a perceber esse dado óbvio. O mundo financeiro não.

JOSÉ CORREIA GUEDES: “HÁ PESSOAS QUE, DEPOIS DE VENCEREM O MEDO DE ANDAR DE AVIÃO, PASSAM PARA O EXTREMO OPOSTO E TORNAM-SE VIAJANTES COMPULSIVOS”: Uma entrevista fascinante a um antigo piloto da TAP, que vale pelas histórias mirabolantes que conta. Como ser sequestrado por um adolescente em pleno ar, mas acabar por defendê-lo em tribunal.

Why the Laws of Physics Are Inevitable: Ou como, na natureza, tudo parece encaixar.

***IMPORTANTE***

Não se esqueça de ajudar o Bit2Geek a crescer nas redes sociais, para termos mais colaboradores e mais conteúdo, 👍? A sua ajuda muda tudo!

***E clique em baixo para saber mais…

Sabia Que… A KLM Transforma Garrafas em Ferramentas?

Artigo anteriorSabia Que… Este Robot Se Repara A Si Próprio?
Próximo artigoSabia Que… Os Cães-Robot São Polícias?
Professor de TIC e coordenador PTE no AEVP onde dinamiza os projetos As TIC em 3D, LCD - Clube de Robótica; Fab@rts: o 3D nas Mãos da Educação, distinguido com prémio de mérito da Rede de Bibliotecas Escolares. Distinguido com o prémio Inclusão e Literacia Digital em 2016 (FCT/Rede TIC e Sociedade). Licenciado em ensino de Educação Visual e Tecnológica, Mestre em Informática Educacional pela Universidade Católica Portuguesa. Correntemente, frequenta pós-graduação em Programação e Robótica na Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Tutor online na Universidade Aberta. Formador especializado em introdução à modelação e impressão 3D em contextos educacionais na ANPRI (Associação Nacional de Professores de Informática) e CFAERC. Co-criador do projeto de robótica educativa open source de baixo custo Robot Anprino. Colaborador do fablab Lab Aberto, em Torres Vedras. O seu mais recente projeto é ser um dos coordenadores do concurso 3Digital, que estimula a utilização de tecnologias 3D com alunos do ensino básico e secundário.