supercarro

A próxima fronteira da impressão 3D está nas pistas de corrida automóvel. A BAC, Briggs Automotive Company, uma construtora automóvel britânica de supercarros, usa tecnologias FDM da Stratasys na produção do seu mais recente modelo, o Mono R.

Um Supercarro com Impressão 3D

supercarro
Entrada de ar otimizada do supercarro Mono R.

O novo supercarro da BAC inclui componentes impressos em 3D. O Mono R inclui manípulos para volantes e entradas de ar que foram construídas usando manufatura aditiva. Mas a grande vantagem da impressão 3D, para a empresa, está na forma como auxiliou os processos de conceção e design. 

Se escrevemos supercarros e impressão 3D no mesmo parágrafo, corremos o risco de criar a ideia que o carro é totalmente impresso em 3D. Tal não acontece. As impressoras 3D tornaram-se mais uma da longa lista de tecnologias que compõem o processo complexo de manufatura automóvel. 

O Mono R é um supercarro capaz de atingir duzentos e setenta quilómetros por hora, combinando formas aerodinâmicas com um motor de 340 cavalos. Para ser capaz desta performance, o motor tem de ter uma caixa de ar que otimize a entrada de oxigénio nos cilindros de combustão, permitindo-lhe obter o máximo de rendimento. Esta peça é de geometria complexa, difícil de manufaturar com meios tradicionais. Com a sua impressão 3D, foi acelerado o processo de prototipagem desta parte do processo de produção. Não só colocou a peça mais rapidamente nas mãos dos engenheiros, como permitiu maior rapidez nos posteriores redesenhos. Com isto, o supercarro saiu da conceção para a estrada muito mais rapidamente do que se tivesse sido concebido usando exclusivamente processos de manufatura subtrativa.

***IMPORTANTE***

Não se esqueça de ajudar o Bit2Geek a crescer nas redes sociais, para termos mais colaboradores e mais conteúdo, 👍? A sua ajuda muda tudo!

 

***E clique em baixo para saber mais 

Chave digital para carros, no smartphone, chega em 2019.

Artigo anteriorSabia Que… Os Cães-Robot São Polícias?
Próximo artigoRobôs domésticos, de socorro ou médicos. A realidade já esteve mais longe da ficção
Professor de TIC e coordenador PTE no AEVP onde dinamiza os projetos As TIC em 3D, LCD - Clube de Robótica; Fab@rts: o 3D nas Mãos da Educação, distinguido com prémio de mérito da Rede de Bibliotecas Escolares. Distinguido com o prémio Inclusão e Literacia Digital em 2016 (FCT/Rede TIC e Sociedade). Licenciado em ensino de Educação Visual e Tecnológica, Mestre em Informática Educacional pela Universidade Católica Portuguesa. Correntemente, frequenta pós-graduação em Programação e Robótica na Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Tutor online na Universidade Aberta. Formador especializado em introdução à modelação e impressão 3D em contextos educacionais na ANPRI (Associação Nacional de Professores de Informática) e CFAERC. Co-criador do projeto de robótica educativa open source de baixo custo Robot Anprino. Colaborador do fablab Lab Aberto, em Torres Vedras. O seu mais recente projeto é ser um dos coordenadores do concurso 3Digital, que estimula a utilização de tecnologias 3D com alunos do ensino básico e secundário.