tecnologia

Vai haver um hotel na ISS. O problema fatal de engenharia no distinguir entre mísseis e meteoritos. Como funciona uma redação totalmente digital. A morte da televisão por cabo. Ter um smartphone totalmente open source. A responsabilidade cartográfica de Christopher Tolkien. 2020, visto pela Ficção Científica. Estes são os destaques, mas há muito mais para descobrir nestas Capturas, cheias de história e histórias sobre tecnologia.

Mundos da Ficção Científica

Cover and back art by Chris Foss, for Spacecraft: In Fact and…: Um dos grandes nomes da ilustração de ficção científica.

How Science Fiction Imagined the 2020s: No Medium, Tim Maughan olha para algumas obras de ficção científica que imaginaram como seriam os anos de 2020. Algumas, como Islands in the Net de Bruce Sterling ou Parable of the Sower de Octavia Butler, parecem estranhamente prescientes. O que não surpreende muito, no caso de Sterling. O mundo em que vivemos é uma daquelas puras distopias cyberpunk que Sterling, Gibson, Stephenson ou Cadigan adoraram conjurar, nos idos de 90 do século XX. Mas o olhar não é  da FC como oráculo, Maughan conhece bem o género e sabe que o caracterizar como preditivo é mostrar que não se compreende o verdadeiro valor da Ficção Científica.

tecnologia

Hoot von Zitzewitz, 1967: Colagens psicadélicas.

How an experimental story about gender and warfare shook the sci-fi community: Por vezes, o afã de defender minorias toca na censura aberta. Pelo ruído que levantam. Estão tão preocupados em defender os seus sentimentos que esquecem o óbvio. Arte é suposto ser provocatória, e obras feitas ao gosto de conservadores ou progressistas são geralmente estéreis. E chatas. No corrente clima, seria impossível um Hunter S. Thompson, um Henry Miller, um Camus, um Pacheco ou um Joyce editarem sem serem atacados por todos os quadrantes. Esta visão de diversidade sim, mas só dentro de parâmetros aceitáveis é preocupante. Quem a defende está na verdade a aplicar os métodos mais restritivos e conservadores, aqueles que caracterizam o tipo de repressão de que dizem sofrer. Estas questões não são preto no branco, claro, mas suspeito que os editores da Clarkesworld têm sentido crítico suficiente para distinguir uma boa história de propaganda sad puppy.

Danny Flynn: Às vezes, tudo o que precisamos é de uma nave na imensidão do universo.

Celebrating Christopher Tolkien’s Cartographic Legacy: Ser o executor testamentário literário não deixou o filho de Tolkien isento de críticas, era bem conhecido o cuidado que detinha na gestão da propriedade intelectual. Mas o trabalho de gerir a obra do pai, o que incluiu a preparação para publicação de muitos manuscritos inéditos, coligidos a partir de fragmentos de texto e apontamentos que Tolkien nunca terminou, sobrepôs-se àquele que foi, talvez, o seu legado mais visível. Dar corpo às terras de fantasia do pai, elaborando os icónicos mapas que acompanham os livros. Algo que extravasou a obra de Tolkien, e se tornou corriqueira em qualquer saga de fantasia.

tecnologia

asmodayrexmagnus:The Eighth Tower by John A. Keel: Ainda estamos longe do último degrau.

Seeker Of To-morrow: De um retrofuturismo quase abstrato.

tecnologia

Jack Kirby: Sempre me surpreendeu a forma como Kirby se safava com do mais bizarro surrealismo num meio inerentemente conservador como os comics comerciais.

The Love Bug: ‘How a Baby Is Made’, 1971: Um artefacto literário de educação sexual com franqueza, que nos anos 70 despertou alguns desconfortos.

Histórias da Tecnologia

Instagram for Win95: Uma captura perfeita da estética Windows 95. Bem, nós por cá estamos presos ao 7. Este projeto tem, para quem tem de gerir um parque informático obsoleto a prestar serviço público, um tom de ironia negra.

What we can learn about robots from Japan: Não sobre a tecnologia, mas sim sobre a forma de olhar para os robôs. A atitude japonesa é positiva, os robôs não são vistos como uma ameaça ou simulacro anti-natural de vida. Em parte, isso deve-se à tradição shinto e animista japonesa, que vê em tudo espíritos. Mas também a uma cultura popular que vincou a robótica enquanto força positiva. Se repararem no mangá, abundam as histórias onde robôs e mechas são elementos positivos. Mas nós, no ocidente da tradição abrâmica da vida humana como única capaz de ttanscendiencia, e moralismo que entende como anti-natural quando o homem entra nas áreas reservadas aos deuses, preferimos o Exterminador Implacável ao Astroboy.

How Efficient Can An Airplane Be? The Celera 500L Sets To Find Out: Uma aeronave com formas intrigantes, e um projeto interessante. Investigar os limites da eficiência energética na aviação.

In serving big company interests, copyright is in crisis: A involução dos direitos de autor de garantia da proteção dos criadores para monopólios lucrativos para empresas dos media.

Traditional TV Enters Its Final Death Spiral: Curiosamente, esta morte anunciada não é a da TV de sinal aberto, mas sim a dos canais por cabo, vistos como caros e pressionados pela competição com  serviços de streaming. O artigo aponta até um crescimento do acesso a sinal aberto. Por cá, a coisa resolveu-se garantindo que os canais por cabo tenham sempre meio de subsistência. Digitalizou-se o sinal aberto, entretegando a construção da nova rede de emissores a uma empresa que também detinha serviços por cabo. Monta-se a rede de forma a cobrir mal o território nacional, enquanto se promove agressivamente pacotes de Internet e TV por cabo. Grande parte é obrigada a aderir porque a), o sinal aberto de televisão não lhes chega ou tem má qualidade, b) apenas queriam acesso à Internet mas ou não havia produtos para isso, ou se havia, eram mais caros do que o pacote completo (é o meu caso, e bem via a cara de “este tipo é alienígena” estampado no rosto dos funcionários das operadoras quando lhes dizia que não, não queria televisão, apenas queria Internet) (não ver televisão é um anacronismo muito saboroso). Anos depois, já ninguém se lembra que o sinal aberto existe. E voilá, temos a receita para um mercado cativo.

Librem 5 phone hands-on—Open source phone shows the cost of being different: Parece um tijolo, funciona mal e o sistema operativo está tão incompleto que praticamente nada funciona. E, no entanto, o Librem 5 é dos mais interessantes smartphones em desenvolvimento. A empresa que o está a desenvolver é tão adepta do open source que todos os componentes e software do telemóvel são abertos. Numa era de hardware barato proprietário, só isto é um desafio quase impossível. No software, usa Linux, e com uma visão interessante, de convergência entre o desktop, com versões mobile das aplicações Linux, e no inverso, as apps desenvolvidas para o Librem serem totalmente funcionais no computador.

CES 2020 shows us what the end of the consumer 3D printing hype cycle looks like: Pode parecer uma ideia deprimente, mas o conceito de impressão 3D para as massas sempre esteve condenado. Para alguns, aqueles com impulso criativo, é uma tecnologia essencial. Mas sempre foi claro que nunca de tornaria tecnologia de consumo de massas. Porque o objetivo da impressão 3D é precisamente o inverso, estimular o criar e não o consumir. Por isso, está a afirmar-se, para lá das aplicações revolucionárias de manufatura aditiva nas indústrias, como tecnologia para nichos específicos. Nisso, a educação é caso paradigmático, pela forma como está a adotar a impressão 3D em contextos pedagógicos.

The Race For Quantum Supremacy I VICE on HBO: O desenvolvimento e potencial da computação quântica, que promete, tal como a revolução digital a que irá suceder, transformar profundamente a nossa sociedade.

A Poster of CAD Design Tips for #3DPrinting #CAD @BillieRubenMake: E são todas boas dicas, mesmo que se use outro tipo de modeladores que não CAD para desenhar 3D para impressão.
Depth of field fails: Uma análise divertida aos erros inadvertidos dos algoritmos de Inteligência Artificial usados nas câmaras dos telemóveis para simular capacidades normalmente só ao alcance de profissionais com equipamentos fotográficos de gama alta.

Boeing Quits — and Kills — DARPA Experimental Spaceplane Program: Este tipo de notícias deixa-me sempre algo triste, perde-se a possibilidade de ver algo diferente pelos céus.

Relativity Space could change the economics of private space launches: A tecnologia que esta empresa está a desenvolver já nos atraiu a atenção, pelo foco na impressão 3D e manufatura aditiva aplicada ao desenvolvimento de motores e lançadores. É bom ver que não são vaporware, e que estão a sobreviver no ecossistema das start-ups aeroespaciais.

Why I won’t buy an Ipad: ten years later: No entanto, a maior parte dos utilizadores não está verdadeiramente interessado na liberdade de escolha, ou na apropriação profunda da tecnologia. É por isto que o Linux não é um sistema operativo generalizado, apesar das tentativas de o tornar simples. Ficam contentes com dispositivos de design engraçado mas fechado, que não requerem esforço mental para serem utilizados.

And the Grammy goes to… AI: Esta visão fortemente negativa do impacto de algoritmos de Inteligência Artificial na indústria musical mostra mais do que a aceitação de uma tendência tecnológica. Mostra que a música pop é inerentemente repetitiva, e por isso facilmente automatizável. Aliás, grande parte dos sucessos que se ouvem são variações repetitivas. Irá toda a música ficar dependente de algoritmos? Bem, isso dependerá dos criadores.

The tools and tricks that let Ars Technica function without a physical office: Um olhar fascinante para a tecnologia, metodologias e práticas de uma redação totalmente virtual, onde os escritores são experts nas suas áreas, trabalham de forma autónoma nos seus espaços, e colaboram usando ferramentas digitais simples. Com umas dicas interessantes sobre como equilibrar o trabalho à distância com a vida pessoal. No fundo, é bastante parecido com a maneira como trabalhamos no Bit2Geek, embora a nossa equipa também tenha profissões exigentes (somos experts porque fazemos), exceto num pequeno pormenor: ainda não temos o hábito de fazer um meet-up físico anual em Nova Iorque. Ora aí está uma bela ideia para implementar.

Los hijos de Fairchild Semiconductor: de los ‘ocho traidores’ al germen de la actual Silicon Valley: Primeiro, foi Shockley, pai dos semi-condutores, prémio Nobel e tão mau patrão que os seus melhores funcionários desertaram para fundar a Fairchild, a segunda grande empresa de fabrico de processadores, mas a mais influente de sempre. Pensem nos grandes nomes de Silicon Valley, nos fundadores da Intel, HP ou outras gigantes da tecnologia. Foram fundadores da Fairchild, e ao saírem para criar os seus projetos, criaram a cultura de empreendedorismo que é a marca do Silicon Valley.

Modernidade

*Engineers, the answer must be found in…: Porque senão, cogumelos nucleares começariam a medrar no hemisfério norte. Grande achado da Guerra Fria, via Bruce Sterling.

The value of owning more books than you can read: Uma anti-biblioteca de livros por ler, sinal que não temos a hubris de afirmar que sabemos tudo. Eu, como bibliófago compulsivo, que também se deprime ao olhar para as suas estantes da vergonha, com aqueles livros ainda por ler, devo dizer que este argumento a favor de acumular mais livros me seduz.

Japan Is Launching Its Own Space Defense Unit: Agora todos querem ter uma Space Force? Bem, na verdade, estas forças já existiam, estavam é dependentes de ramos militares tradicionais.
Instrumental Revelation and the Architecture of Abandoned Physics Experiments: Geoff Manaugh tem o condão de ver a realidade de forma quase onírica. O que para outros seriam ruínas enferrujadas sem interesse, ou detritos da prática científica, para Manaugh são vestígios encantadores da propensão humana para criar extensões dos sentidos. Aqui, o planeta e as suas forças são percepcionados por instrumentos de aspeto esotérico, que nos permitem sentir aquilo que a nossa biologia não permite.

Well, you’re in big trouble now, you brand-new plague of 2020: Para os fãs de biologia, a sequência genética do coronavirus que está a criar a primeira pandemia de 2020.

“The Art of Computer Designing”: stark, beautiful black-and-white images from 1993: Pensamento computacional, design e artes. O trabalho maravilhoso e espartano de um ilustrador nipónico que viu no computador uma ferramenta de criatividade pura: “The computer is a magic box. Many graphic images are hidden inside it”. I can relate.

NASA Picks Axiom to Add a Garish Space Hotel to the ISS: Apesar do tom crítico, não é necessariamente uma má notícia. É inevitável que o acesso ao espaço se abra, e adicionar novos módulos à ISS é uma das formas de o fazer. No entanto, muitos destes planos e conceitos não passam disso mesmo. Esta proposta será, também, tecnologia vaporware?

***IMPORTANTE***

Não se esqueça de ajudar o Bit2Geek a crescer nas redes sociais, para termos mais colaboradores e mais conteúdo, 👍? A sua ajuda muda tudo!

***E clique em baixo para saber mais…

Sabia Que… É Possível Digitalizar em 3D em Tempo Real?

Artigo anteriorO Habitat espacial da Axiom Space e as comunicações 6g.
Próximo artigoInteligência Artificial actualiza imagem de jogos e filmes antigos para 4K
Professor de TIC e coordenador PTE no AEVP onde dinamiza os projetos As TIC em 3D, LCD - Clube de Robótica; Fab@rts: o 3D nas Mãos da Educação, distinguido com prémio de mérito da Rede de Bibliotecas Escolares. Distinguido com o prémio Inclusão e Literacia Digital em 2016 (FCT/Rede TIC e Sociedade). Licenciado em ensino de Educação Visual e Tecnológica, Mestre em Informática Educacional pela Universidade Católica Portuguesa. Correntemente, frequenta pós-graduação em Programação e Robótica na Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Tutor online na Universidade Aberta. Formador especializado em introdução à modelação e impressão 3D em contextos educacionais na ANPRI (Associação Nacional de Professores de Informática) e CFAERC. Co-criador do projeto de robótica educativa open source de baixo custo Robot Anprino. Colaborador do fablab Lab Aberto, em Torres Vedras. O seu mais recente projeto é ser um dos coordenadores do concurso 3Digital, que estimula a utilização de tecnologias 3D com alunos do ensino básico e secundário.