tecnologias

O que poderão encontrar nas capturas desta semana? O brilhantismo do rabiosque de Bill Sienkiewicz, uma curta genial de banda desenhada portuguesa, e o lançamento de um livro póstumo de António de Macedo. Ganhar a vida com impressão 3D, perigos da Inteligência Artificial e sistemas que lêem os sinais musculares são alguns dos destaques da tecnologia. Descobrimos o silêncio urbano na era covid-19, visitamos a obra de Gerhard Richter, e sorrimos com os cangalheiros dançarinos do Gana. Mas estes temas são apenas a ponta do iceberg das nossas leituras recolhidas. Entre estéticas e tecnologias, são estas as melhores leituras da semana.

Mundos da Ficção Científica

Henri Lievens, 1975: Indícios de Yves Tanguy, mas em ficção científica.

Bill Sienkiewicz Goes Viral Again and It’s All His Fault: Tenho tido o privilégio de acompanhar esta maravilha no Facebook, como seguidor deste extraordinário ilustrador de comics. Que teve a lata de se fotografar nu, numa daquelas poses de partir ossos que os ilustradores de comics tanto apreciam, com o traseiro levemente tapado por um quadrado preto. A foto galvanizou os amigos de Sienkiewicz, que responderam à altura… e a Internet encheu-se de gloriosas variações do rabo do Bill. Alguns dos melhores artistas de banda desenhada da atualidade contribuíram com a sua versão. Sempre geniais!

CONAN: Para além da boa notícia da Saída de Emergência lançar uma antologia dos melhores contos da personagem imortal criada por Robert E. Howard, há ainda a anotar um concurso gráfico para dar oportunidade a novos talentos de criar duas ilustrações para este livro, juntando-se aos grandes nomes que a curadoria gráfica de Bruno Caetano certamente trará.

Le Storie #1: Il Boia di Parigi: Confesso que também aproveitei a iniciativa da Bonelli para reforçar a minha colecção de fumetti, mas ainda não tive tempo para os ler. Le Storie costuma ser sinónimo de excelência da casa editorial milanesa.

tecnologias

Angus McKie: Esta estética de cidades futuristas já tem o seu quê de retro.

Sinopse: “O Terceiro Chega em Maio”: Uma excelente novidade da Divergência, que vai editar mais um romance póstumo de António de Macedo, o cineasta maldito do cinema português e acarinhado pelos amantes da literatura fantástica pela sua obra cinematográfica e literária.

Doctor Who: 10 Doctors Post Message of Thanks, Hope for Big Night In: Para sublinhar o significado disto, a última vez que houve tantos Doctors juntos foi no episódio épico The Day of The Doctor, com o seu Gallifrey Falls No More (whovianos compreendem).

redlipstickresurrected:Tomioka Eisen aka 富岡 永洗 aka Tomioka: Toque kwaidan.

Have You Heard of Solarpunk?: Sim, e embora nunca tenha lido esta antologia luso-brasileira, conheço bem a obra de alguns dos seus autores. Foi das primeiras iniciativas a apropriar-se do termo punk para fazer contraponto ao grimdark do cyberpunk (tal como o steampunk, que seguiu o caminho da nostalgia por passados que nunca aconteceram).

tecnologias

Dean Ellis: Isto é uma versão nave-hospital da Discovery de 2001? Com o HAL-9000 a ser o médico?

A Estalagem, de Fernando Lucas: Uma belíssima proposta de webcomic de um autor português, contada com um sentido rítmico perfeito, e um notável humor negro.

Histórias das Tecnologias

Chris Ware’s “Still Life”: Novamente, uma capa para a New Yorker que é certeira na captura do espírito do nosso tempo. E, de facto, esta paralisia em que vivemos tem algo de positivo: “For a while, we get to just step back and look.’ And really, when you do, it is pretty marvellous.

Google Meet premium video meetings—free for everyone: Não sei se estão a imaginar a quantidade de dados de treino que isto vai gerar para os algoritmos de inteligência artificial da google no reconhecimento facial, geração automatizada de imagem, reconhecimento de voz (em múltiplas línguas) tradução automática, predição de texto, e geração de fala artificial. Data is the new oil… e nós somos os poços.

Italian lessons: what we’ve learned from two months of home schooling: Um sentimento de incredulidade quando as escolas fecham. Professores aflitos a ter de se reinventar, de aprender do dia para a noite novas formas de ensinar, dependentes de tecnologias que desconhecem. Proliferação de plataformas e métodos, na maioria desenrascadas pelos professores e não com alguma visão de planeamento estrutural de escolas ou ministério. Sobrecarga de tarefas sobre alunos encerrados em casa. Crianças sem qualquer acesso a meios digitais. Estratégias pedagógicas que erradamente replicam o pior do ensino presencial usando tecnologias (vai una zoomaula?). Problemas com atenção, foco e atitude das crianças em ensino à distância. Pais saturados, professores exaustos, alunos a oscilar entre a dificuldade de se manter à tona e o borrifar completo. O questionar profundo de uma profissão que sempre teve na proximidade um dos seus pilares fundamentais, e agora se vê forçada à ligação ténue trazida pelos ecrãs, com a agrura acrescida de saber que somos impotentes para ajudar aqueles que mais precisam. Soa familiar, caros colegas que estão, como eu, a reinventar tudo o que sabem sobre pedagogia e educação em modo de emergência? O que nós estamos agora a sentir, por Itália já passou.

La odisea para fotografiar por primera vez el lado oculto de la Luna: cámara analógica y revelado en gravedad cero: Da extrema complexidade dos primeiros tempos de algo que hoje é banal. Há que admirar a genialidade das soluções quase impossíveis desenvolvidas nos primórdios da era espacial.

Superintelligent, Amoral, and Out of Control: Confesso que já não lia um daqueles artigos alarmados com o potencial das tecnologias de inteligência artificial em ultrapassar a humanidade e, eventualmente, dominar-nos. É uma ideia clássica, intrigante, mas que especula sobre eventuais desenvolvimentos miraculosos de uma tecnologia cuja inteligência é, na verdade, extremamente limitada. E que sim, traz perigos, de aplicação cega, erros algorítmicos ou enviesamento.

Además de correr, ahora ayuda en hospitales: la telemedicina es una nueva oportunidad para el perro robótico de Boston Dynamics: Faz sentido, e esta experiência da Boston Dynamics mostra o potencial das tecnologias de robótica no apoio aos profissionais de saúde nestes tempos de crise pandémica.

Así me gano la vida con una impresora 3D: Não é milionário, mas há um mercado para as capacidades de extrema personalização e produção à medida da impressão 3D.

ReactOS: Dipping A Toe In A Millennium-era Open Source Dream: Os informáticos mais duros, apologistas do Linux, cometem muitas vezes um erro crasso – achar que basta ter uma distribuição Linux com interface gráfico a imitar o Windows para que os utilizadores não notem. Para além do óbvio desmerecer da inteligência de quem utiliza computadores, a coisa esbarra logo mal se tenta instalar um programa. Notem que não sou anti-linux, bem pelo contrário, mas acima de tudo, há que saber trabalhar com as pessoas e não lhes impor soluções, mesmo que saibamos que são as mais adequadas. Aliás, impor tecnologias é receita certa para falhar.

Muscle signals can pilot a robot: Intrigantes tecnologias. Treinar sistemas de controlo capazes de ler os sinais dos nossos músculos, e com isso desenvolver interfaces mais intuitivos para controlar robôs.

Histórias da Modernidade

Tecnologias

Krasnoyarsk-26: Estéticas do secretismo soviético, zonas decaídas onde ficavam instalações secretas que desenvolviam tecnologias militares nos confúndios gelados da Rússia profunda.

Realists of the Soviet Fantasy: A história já nos dá o distanciamento ideológico e crítico necessário para apreciar a estética do realismo soviético, e a sua elegia de uma utopia proletária. Uma estética imposta a ferro e fogo (a verdadeira estética da revolução, o genial construtivismo russo, foi esmagada pelo regime soviético mal este se consolidou), e visões suaves de cores brilhantes que contrastavam com a realidade da opressão.

How Dancing African Pallbearers Became A Worldwide Meme (And Why They’re Partying Like It’s 1349): Por acaso deparei-me com este meme dos cangalheiros dançarinos do Gana em grupos dedicados a produzir memes radicais de esquerda (hey, prazeres culposos). Mas esta danse macabre do século XXI espelha na perfeição a nossa angústia pessoal e social com o espectro da morte aleatória que paira sobre todos, nos tempos da covid-19. E fá-lo usando esse meio de expressão do mundo das tecnologias tão internético, o meme.

How the Sound of New York City has Changed During the COVID-19 Lockdown: 4:33, a peça musical vanguardista de John Cage em que durante quatro minutos e trinta e três segundos se ouve… nada (ou melhor, os sons da sala, os ruídos dos músicos da orquestra parada em pausa), é a metáfora das sonoridades urbanas nestes dias de pandemia. O ruído do bulício urbano passou a ser um silêncio quase opressivo, quebrado vagamente por sons da natureza ou o vago carro que circula. Há dias, em plena Lisboa, passou um raro avião e senti que nunca me tinha apercebido do real ruído das suas turbinas, que tinha ouvido sempre abafado pelos sons do trânsito.

Experience The Frecce Tricolori’s Rome Flyover In This Stunning 4k 360-degree Cockpit Video: Um momento já de si impressionante, mas reforçado pela terrível momento que se vive em Itália.

Why do you believe what you do? Run some diagnostics on it: Uma reflexão sobre o papel dos contextos sociais em que crescemos e vivemos na formação dos nossos sistemas de crenças. O social influencia aquilo em que acreditamos. Não é nenhuma novidade.

How COVID-19 Will Pass from Pandemic to Prosaic: Em parte, com a adoção de medidas inteligentes de rastreio e distanciamento social. Ou seja, a nossa normalidade vai alterar-se radicalmente mesmo quando as restrições mais draconianas forem levantadas. Note-se que teremos de viver com restrições durante muito tempo, e as tecnologias têm um papel a desempenhar nisso.

Kim Jong Un’s Sister Could Replace Him If He Dies. Who Is Kim Yo Jong?: Portanto, o mais recente querido líder do reino hermético está às portas da morte, apesar da sua relativa tenra idade, e a sua irmã poderá ser a sua sucessora?

The Ghost Airline That Has Linked Cairo and Tel Aviv for Decades: Como é que se interligam as capitais de dois países inimigos? Que tal usando uma companhia aérea tão discreta que as suas aeronaves não têm sequer marcas visíveis, os bilhetes são comprados por telefone, os portões de embarque no aeroporto são secretos? Deve ser uma experiência gira fazer este voo.

Do you appreciate your supermarket cashier? Re-reading Studs Terkel’s ‘Working’ for the pandemic: Só para recordar aqueles que não se podem dar ao luxo de ficar em casa. E sem os quais aquilo de que dependemos para o nosso dia a dia não nos chegaria às mãos. Sem falsos moralismos, recordando que o desprezo social pelas profissões menores é um dos nossos males morais estruturais.

A woman’s breast implant deflected a bullet, saving her life: Não é o tipo de notícia que normalmente partilho aqui, mas o nível de bizarria é demasiado elevado para resistir à tentação. Implante mamários e balas. Ninguém se lembrou disto…

The Master of Unknowing: A partir de uma exposição retrospectiva da obra de Richter (poderei sonhar em vê-la cá?), uma análise profunda da obra deste artista alemão. Fiquei pasmado com esta citação, ““Pictures which are interpretable, and which contain a meaning, are bad pictures.” A good picture “takes away our certainty, because it deprives a thing of its meaning and its name. It shows us the thing in all the manifold significance and infinite variety that preclude the emergence of any single meaning and view.””. Porque é mesmo isto, o que não nos abala ou incomoda não nos leva a refletir.

An automated world in 2040: Será que 2040 será a década da automação generalizada? Uma coisa é certa: a covid-19 vai incentivar o investimento no desenvolvimento de tecnologias de automação e robótica que tornem a economia mais resiliente a este tipo de crises.

***IMPORTANTE***

Não se esqueça de ajudar o Bit2Geek a crescer nas redes sociais, para termos mais colaboradores e mais conteúdo, 👍? A sua ajuda muda tudo!

***E clique em baixo para saber mais…

Sabia Que… A Impressão 3D Presta Serviço Militar?