maker

Em dezembro, regressa o maior evento europeu de show and tell. A Maker Faire Rome não baixa os braços no contexto de pandemia, e promete um evento entre o virtual e o físico, se possível. A Call for Makers está já aberta para todos os que queiram mostrar os seus projetos na maior Maker Faire europeia.

Resiliência da Comunidade Maker

maker

Dizer que 2020 nos tem trazido enormes desafios e vivências impensáveis é um eufemismo, que mal reflete o drama trazido pela pandemia. E Itália, casa da maior Maker Faire europeia, foi dos países europeus mais fustigados pela primeira vaga da Covid-19. Mas depois da ruína, procura-se, lá como cá, recuperar. E, por isso, não surpreende que a organização do evento se tenha sabido adaptar aos novos desafios de um mundo que convive com uma pandemia. Em dezembro, Roma voltará a ser o palco do grande evento show and tell onde os criadores, fazedores, professores, universidades, escolas, empresas, engenhocas e inventores se cruzam para mostrar o que se consegue cruzando criatividade e tecnologia.

Se parece surpreendente que este mega-evento se mantenha em 2020, apesar de fora das suas datas tradicionais, há que contar com a resiliência da comunidade Maker. Globalmente, e Portugal não foi exceção, na fase crítica do princípio da pandemia os makers uniram esforços para desenvolver soluções de resposta comunitária à falta de equipamento de proteção pessoal, componentes para dispositivos médicos, ou soluções temporárias para ventiladores. É provável que muitos destes projetos venham a ser recordados na edição 2020 da Maker Faire Rome.

Onsite, Online, Onlife

A própria continuidade da Faire é um símbolo da resiliência e adaptabilidade Maker. Não só por acontecer, mas por se desenrolar num sistema híbrido, presencial e virtual. De acordo com a Call for Makers, alguns expositores estão presencialmente num espaço físico (nos já tradicionais pavilhões da Fiera di Roma, espera-se, embora a organização não garanta para já isso), enquanto outros poderão participar de forma virtual. A fórmula é Onsite, Online, Onlife! e procura manter o espírito de partilha e aprendizagem maker em tempos de necessário distanciamento social e restrição de viagens.

A Call For Makers, aberta a todos os interessados, já está disponível. Como sempre, está dividida em duas grandes categorias. Makers, para fablabs, empresas, projetos, criadores individuais, instituições e universidades. E Schools, para projetos na área da educação desenvolvidos por estudantes de qualquer idade.

Call for Makers

maker

Este ano, as grandes categoria de projetos são Invenções e Inovação, Artesanato Inovador, Projetos de Eletrónica, Alimentação e Agricultura, Robótica e Máquinas Inteligentes, Saúde e Qualidade de Vida, Arte e Interação, Ciência Pura, Sustentabilidade e Economia Circular, Software e Hardware de Fonte Aberta, Fablabs, Exploração Espacial e projetos especiais. Estas categorias não esgotam a gama de projetos que podem ser mostrados. A organização da Maker Faire está aberta a ideias artísticas, sobre o património, segurança, entre outros. Se for inovador, criativo, usar tecnologia e partir de um espírito de partilha, pode ser apropriado.

A Call for Makers está aberta. Até 15 de outubro, todos os interessados podem fazer a sua candidatura. Este evento não se esgota na Itália ou europa, está aberto à comunidade maker global. E em dezembro, online, offline ou online e offline, voltará a mostrar ao mundo o que de mais interessante se faz no mundo maker.

***IMPORTANTE***

Não se esqueça de ajudar o Bit2Geek a crescer nas redes sociais, para termos mais colaboradores e mais conteúdo, 👍? A sua ajuda muda tudo!

***E clique em baixo para saber mais…

Maker Faire Rome 2019: O Topo da Criatividade Tecnológica

Artigo anteriorCapturas na Rede, 1 de Agosto: Tecnologia e Mais Além
Próximo artigoCapturas na Rede, 8 de Agosto: Histórias que Intrigam
Professor de TIC e coordenador PTE no AEVP onde dinamiza os projetos As TIC em 3D, LCD - Clube de Robótica; Fab@rts: o 3D nas Mãos da Educação, distinguido com prémio de mérito da Rede de Bibliotecas Escolares. Distinguido com o prémio Inclusão e Literacia Digital em 2016 (FCT/Rede TIC e Sociedade). Licenciado em ensino de Educação Visual e Tecnológica, Mestre em Informática Educacional pela Universidade Católica Portuguesa. Correntemente, frequenta pós-graduação em Programação e Robótica na Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Tutor online na Universidade Aberta. Formador especializado em introdução à modelação e impressão 3D em contextos educacionais na ANPRI (Associação Nacional de Professores de Informática) e CFAERC. Co-criador do projeto de robótica educativa open source de baixo custo Robot Anprino. Colaborador do fablab Lab Aberto, em Torres Vedras. O seu mais recente projeto é ser um dos coordenadores do concurso 3Digital, que estimula a utilização de tecnologias 3D com alunos do ensino básico e secundário.