OpenBot

E que tal reciclar aquele smartphone desatualizado que tem na gaveta, aproveitando-o para controlar um robot? É esse um dos pilares do projeto OpenBot. Desenvolvido por engenheiros da Intel, cruza robótica DIY com telemóveis para criar um robot de muito baixo custo, pensado para makers e educadores.

OpenBot: Robótica Acessível e Telemóveis

No projeto OpenBot, o telemóvel é o cérebro do robot.O objetivo é tirar partido da gama de sensores disponível nestes dispositivos para controlar o robot. De resto, o OpenBot segue os parâmetros deste tipo de pequenos robôs. Tem um chassis concebido para ser impresso em 3D, com espaço para quatro motores, controlador, leds, suporte de telemóvel e cabo usb. A conexão ao telemóvel é assegurada por uma placa Arduino Nano. É no interface Arduino-Android que o robot opera. Uma app Android processa dados de sensores e controle de alto nível, comunicando com a placa arduino cujo software controla os atuadores.

O OpenBot está pensado com plataforma experimental acessível. Os seus criadores desenvolveram aplicações que incluem coleta de dados, seguimento de linhas, navegação autónoma e detecção/seguimento de pessoas. Não é difícil ver como um robot barato com estas capacidades tem potencial nos domínios educativos, como plataforma de baixo custo que recorre às capacidades de processamento dos telemóveis para conseguir aplicações complexas. E, de facto, o OpenBot não é caso único. Desenvolvido por investigadores da universidade de A Coruña em 2017, e agora comercializado, o Robobo é um robot educativo que usa um telemóvel para utilizar sensores avançados. Como projeto educativo, está pensado para ser programável por linguagens visuais, algo que o OpenBot não faz.

Aprender robótica, desenvolver projetos nesta área, construir um robot de baixo custo e ainda reciclar aquele telemóvel potente mas antigo que está a apanhar pó na gaveta. O OpenBot é uma muito bem vinda adição à gama de robots DIY com potencial educacional.

***IMPORTANTE***

Não se esqueça de ajudar o Bit2Geek a crescer nas redes sociais, para termos mais colaboradores e mais conteúdo, 👍? A sua ajuda muda tudo!

***E clique em baixo para saber mais…

EU Codeweek: E Porque Não Experimentar Programar?

Artigo anteriorAlemanha entra na corrida espacial com o foguetão Spectrum
Próximo artigoCapturas na Rede, 10 de Outubro: Tecnologia
Professor de TIC e coordenador PTE no AEVP onde dinamiza os projetos As TIC em 3D, LCD - Clube de Robótica; Fab@rts: o 3D nas Mãos da Educação, distinguido com prémio de mérito da Rede de Bibliotecas Escolares. Distinguido com o prémio Inclusão e Literacia Digital em 2016 (FCT/Rede TIC e Sociedade). Licenciado em ensino de Educação Visual e Tecnológica, Mestre em Informática Educacional pela Universidade Católica Portuguesa. Correntemente, frequenta pós-graduação em Programação e Robótica na Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Tutor online na Universidade Aberta. Formador especializado em introdução à modelação e impressão 3D em contextos educacionais na ANPRI (Associação Nacional de Professores de Informática) e CFAERC. Co-criador do projeto de robótica educativa open source de baixo custo Robot Anprino. Colaborador do fablab Lab Aberto, em Torres Vedras. O seu mais recente projeto é ser um dos coordenadores do concurso 3Digital, que estimula a utilização de tecnologias 3D com alunos do ensino básico e secundário.