tecnologia

Esta semana, fala-se de sequências geniais de animação, de Grant Morrison a propor episódios de Doctor Who, e da continuidade da série clássica Os Passageiros de Vento. Também se descobre os rascunhos ocultos sob a Mona Lisa, Inteligência Artificial aplicada à língua gestual e o padre galego que se dedicava aos autómatos. Ainda se reflete sobre os enormes desafios que os dias de hoje representam para a sociedade global, e de como será a possível futura liderança global chinesa. Mas para além destas, outras leituras vos aguardam nas Capturas, sobre tecnologia e cultura.

Ficção Científica e Cultura Popular

tecnologia

Alfred Kelsner: Space opera pura.

The 100 Sequences That Shaped Animation: Têm… tempo? Têm… muito tempo? Então acomodem-se, e partam à descoberta desta soberba lista dos cem melhores momentos da história do cinema de animação.

Idade Média Brutal e Poética: Do muito trabalho de excelência que podemos encontrar na BD francesa, a série Os Companheiros do Crepúsculo de Bourgeon é uma das que está no topo. Agora que, após mais de vinte anos sobre os primeiros álbuns da série, esta está a ser continuada, o Bandas Desenhadas recorda o trabalho deste grande autor de BD.

Chuck Tingle offers free downloads of his healthy, coronavirus-conscious surrealist gay sci-fi erotica eBooks: Confesso que nunca li… mas o fator bizarria deste autor é tão, tão elevado que não ponho de parte a experiência literária. Acho que uma IA a escrever não se sairía tão bem.

Doctor Who: Grant Morrison Pitched Eps, Has “Whole Season Worked Out”: Confesso que o fanboy em mim ficou intrigado com aquilo que o argumentista propôs à BBC. É que, sabem (se náo forem geeks não sabem), Grant Morrison é famoso pelo absoluto psicadelismo dos seus argumentos. Nele, a expressão on acid não é adjetivo, é substantivo. Imaginar Doctor Who em bizarrias morrisonianas… digamos que poderia funcionar. Poderia funcionar muito bem.

A History of Horror Films: É uma série um bocadinho excessivamente centrada no cinema anglo-americano. O italiano é despachado com uma única menção a um filme de Bava, nos primórdios nem sequer se menciona o papel fundamental dos expressionistas alemães – um documentário que fale sobre os primórdios do cinema de terror que não refira Nosferatu tem uma falha óbvia, e deixa totalmente de fora a gloriosa tradição exploitation espanhola. O foco é a jornada de Mark Gatiss, argumentista da BBC, ao longo dos filmes que o fizeram apaixonar-se pelo cinema de terror. Vale a pena o percurso.

This Twitter Thread Delivers A Concise History Of Meta-Gags In Animation: A técnica chama-se quebrar a quarta parede, cortando a ilusão e enfrentando diretamente o espetador. E, na animação, tem um longo e hilariante historial.

tecnologia

The Cosmic Courtship: estilos retrofuturistas.

Vincent Di Fate’s 1990 cover art to Voyage to the Red Planet: Clássicos da Ficção Científica.

tecnologia

Photo: Tecnologia para exploradores interplanetários.

1975 cover art by Gordon C. Davies for Starship Troopers: Típico Gernsback continuum.

Science fiction, 1931: Olhem para os temas, e… muitos são os mesmos da Ficção Científica de hoje. Não significa que o género esteja obsoleto ou incapaz de se renovar. Apenas, que estas questões continuam a intrigar-nos, a ser misteriosas, ou possibilidades da tecnoligia ainda não atingidas.

Futuricon – Presenting two sessions: Uma excelente notícia. Portugal irá estar representado na Futuricon, com a Cristina Alves e o Carlos Silva a apresentar o que de cá se faz nos domínios da ficção fantástica.

t-rexasaurus: Masashi Iwasaki, from JCA Annual 7 (1987): Tecnologia e surrealismo Sci-Fi nipónico.

The 10 Worst Fictional Small Towns to Get Stuck In: De facto, ir ao mergulho nas águas que banham Crystal Lake pode ser mortífero, especialmente se se for adolescente com propensão para desnudar seios. Entre estas cidades ficcionais onde viver faz mesmo muito mal à saúde, deteto uma falta grave: e Eerie, Indiana?

Mundos da Tecnologia

tecnologia
Retrotechtacular: The $5,000 40 Pound HP Classroom Computer: Parece-se com uma calculadora, mas era o topo da informática educacional nos anos 70.

The Long History of FTP: Um protocolo em vias de extinção, mas que durante os primórdios da internet foi um dos seus pilares da sua tecnlogia.

A Hidden Drawing Lies Beneath the ‘Mona Lisa,’ New Ultra-High-Resolution Images Reveal: Não é exatamente novidade que por debaixo das grandes pinturas se ocultam vestígios dos esboços, de partes do processo criativo que foram abandonados e pintados por cima. Ou, como os grandes artistas do passado viviam em tempos mais frugais do que os nossos, vestígios de outras obras cujas telas foram reaproveitadas. É sempre interessante ver estas análises de raio-x e multiespectrais, leva-nos a conhecer os caminhos criativos que foram pensados, mas não trilhados.

Developing Real-Time, Automatic Sign Language Detection for Video Conferencing: Um projeto intrigante de tecnologia. Usando inteligência artificial, investigadores da Google estão a desenvolver um sistema que permite a um orador em videoconferência falar usando linguagem gestual, com tradução simultânea automática.

Should You Build for Windows, Mac, iOS, Android, or Linux? Yes!: Um novo ambiente de programação promete um dos objetivos mais almejados da programação: programar aplicações numa linguagem única, que se adapta a qualquer sistema operativo.

El cura gallego del siglo XVII que diseñaba autómatas y escribió el primer libro sobre ellos en España: Uma intrigante história sobre um discreto padre galego que, no século XVII, se dedicava a estudar mecanismos e autómatos.

The UK Didn’t Realize How Bad COVID Had Gotten Because of an Excel Screwup: Da incredulidade. Usar Excel como tecnologia para coligir dados para uma base de dados crítica, massiva e sensível? Para os mais dados a pormenores técnicos, é de notar que o erro se deu quando alguém abriu ficheiros CSV numa versão antiga do Excel e, com isso, perdeu dados.

Facebook says it will extend its QAnon ban: Leio esta notícia e recordo os tempos inocentes dos primórdios da internet, quando a ideia de bloquear conteúdos através de tecnologia parecia criminosa, indo contra o espírito de livre partilha de ideias do mundo online. Infelizmente, estamos agora mais endurecidos, especialmente depois de anos com as redes sociais em modo fogo florestal descontrolado, servindo (e servindo-se para despertar interesse) de plataforma de divulgação de discurso extremista e teorias da conspiração. Estas até parecem simpáticas quando restritas a pequenos grupos, mas tornam-se problemáticas quando alastram.

Modernidade

Welcome to the 21st Century How To Plan For The Post-Covid Future: Não, não é uma gripezinha (acho que já todos perceberam isso). Não, não há tecnologia de curas milagrosas a curto prazo (é essa a ilusão que correntemente nos anima). Mas não estamos tramados. Apenas, aquele mundo que conhecemos e tomámos como certo vai mudar. De que forma? Como será o futuro? Isso, estaremos cá para o construir.  O texto começa assim, e só melhora: “We are entering the century of being blindsided by things that we have been warned about for decades but never took seriously enough to prepare for, the century of lurching from crisis to crisis until, at last, we shake ourselves from the illusion that our world will go back to the comfortable way it was and begin the process of rebuilding our society from the ground up“. Das melhores análises que li sobre impacto a curto e médio prazo da pandemia, e daquelas que mostra pistas e otimismo para o futuro.
Understanding how Covid spreads: it’s about averages and bursts: O foco está no muito divulgado R0, a quantidade de pessoas que um infetado irá infetar. Mas a análise aos surtos revela um padrão de infeções mais próximo da lei de Pareto – não se trata tanto de um infetado que infeta outro, em sucessão, mas alguns infetados que, em contextos específicos (espaços fechados, eventos, falta de proteção) infetam muitos outros. Talvez mais importante que a taxa de transmissão, seja perceber a razão de dispersão, o que nos ajudaria a tomar medidas de mitigação mais eficazes.
Can We Still Go to Mars?: Num mundo em crise, ainda fará sentido sonhar com a exploração espacial? Sim, por todas as razões. E mais uma. As crises são passageiras, por muito que nos custe vivê-las. Já o desenvolvimento humano, o investimento científico e tecnológico, serão permanentes.
COVID-19 and Acedia: Aquele sentimento de adormecimento que se mistura com o medo, ansiedade e surpresa pela volta inesperada que o mundo levou? Tem um nome, acedia.
Thirty glorious years: O momento de prosperidade e equilíbrio social que se seguiu à II guerra teve um princípio fundamental – do capitalismo como instrumento da democracia, sujeito a regras para beneficiar a sociedade. Quando esse princípio começou a ser erodido, ainda nos anos 70, dispararam as desigualdades e as assimetrias nas sociedades desenvolvidas, bem como a pressão sobre os sistemas sociais que asseguravam esse equilíbrio. Como a história é criatura que regressa para morder o traseiro daqueles que esquecem as suas lições, o espectro daquilo que os conceptores do estado social e democracia queriam evitar está de volta. Após a II Guerra, quis-se evitar um regresso às condições sociais que levaram ao fascismo e ao comunismo totalitário. Hoje, com as pessoas a sentirem-se inseguras graças à constante erosão das bases sociais e económicas, não é de admirar que os extremismos tenham ganho, novamente expressão e se estejam a tornar forças políticas que usam os meios democráticos para abalar a democracia.
Last Straw: Movie Chain Closes All Its Theatres After James Bond Movie Postponed: Adoro o ritual de ir ao cinema, mas tenho-me mantido afastado das salas durante a pandemia. Não só pela relutância de partilhar um espaço fechado, mas também devido à minha profissão – o meu risco de exposição ao vírus é superior ao de outras profissões. Temo é que quando, finalmente, puder regressar à magia do ecrã prateado, se calhar não terei cinemas para frequentar.
Thank You for the 7 PM Clapping, But Camaraderie Is Needed More Than Ever – Facts So Romantic: Soa deprimente, mas é bom recordar que estes tempos de pandemia não se vão resolver a curto prazo. A resiliência é mais importante dos que os sentimentos de positividade imediata.
What Happens When China Leads the World: Mesmo com o percalço da covid, está claro que o XXI será o século chinês. A solidificação do poder económico da China, aliada ao óbvio declínio americano e a uma União Europeia que prefere ser regionalista e não globalista, torna isso muito claro. Mas que tipo de liderança global será a chinesa? A sua história imperial, que é bem estudada pelos líderes contemporâneos, mostra algumas dicas.
The Spanish Navy Is Sailing Two Casks of Sherry Around the Globe: Soa a algo gótico, como o barril de Amontillado, mas este xerez que vai ser envelhecido numa viagem de circum-navegação recupera uma antiga tradição de maturação vinícola. Tecnologia e tradição.
Artigo anteriorSabia Que… O micro:bit vai ser renovado?
Próximo artigoMissões Chang’e: Surpresas no Programa chinês começam em 2024
Professor de TIC e coordenador PTE no AEVP onde dinamiza os projetos As TIC em 3D, LCD - Clube de Robótica; Fab@rts: o 3D nas Mãos da Educação, distinguido com prémio de mérito da Rede de Bibliotecas Escolares. Distinguido com o prémio Inclusão e Literacia Digital em 2016 (FCT/Rede TIC e Sociedade). Licenciado em ensino de Educação Visual e Tecnológica, Mestre em Informática Educacional pela Universidade Católica Portuguesa. Correntemente, frequenta pós-graduação em Programação e Robótica na Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Tutor online na Universidade Aberta. Formador especializado em introdução à modelação e impressão 3D em contextos educacionais na ANPRI (Associação Nacional de Professores de Informática) e CFAERC. Co-criador do projeto de robótica educativa open source de baixo custo Robot Anprino. Colaborador do fablab Lab Aberto, em Torres Vedras. O seu mais recente projeto é ser um dos coordenadores do concurso 3Digital, que estimula a utilização de tecnologias 3D com alunos do ensino básico e secundário.