história

Esta semana, fala-se das tendências de book tok, do pintor dos quadros nos filmes de Roger Corman, do Festival Literário de Ovar, e das comédias clássicas portuguesas. Olha-se para os robots agrícolas russos, algoritmos que se inspiram nos cartoons da New Yorker e do formato 3MF. Ainda há espaço para reflexões sobre o Afeganistão, projetos de arte com história e a destruição do mural lisboeta de Nuno Saraiva. Outras leituras vos aguardam, nas Capturas desta semana.

Ficção Científica e Cultura Pop

Fred Gambino: Ficção científica old school.

Star Wars’ Hyperspace Explained: Bem, explicar o imaginário é sempre arriscado, mas devo dizer que é divertido olhar para as explicações sobre como funciona o artifício que possibilita todo o universo Star Wars.

FLO – Festival Literário de Ovar: começou quarta-feira, dia 8, a sétima edição do Festival Literário de Ovar, uma organização do Município de Ovar, concebido, planeado e coordenado pelo escritor e professor Carlos Nuno Granja.

BookTok’s novel approach to books is helping Canadian authors, retailers attract new audiences: À medida que vou mergulhando no TikTok e o algoritmo deixa de me tentar alimentar com uma dieta de contas femininas de valor duvidoso, começo a perceber alguns dos pontos de interesse da plataforma. Este, é um deles, o ser um ponto de encontro para se falar de livros. E, sendo o TikTok uma rede de vídeos curtos, sem precisar da enorme pachorra que é precisa para ouvir os Booktubers no YouTube. A desvantagem? É imediatista.

história

“Beyond the Pleasuredome: The Lost Occult World of Burt Shonberg”: Aposto que, tal como eu, nunca tinham pensado em quem é que faria as espantosas ilustrações e quadros que estavam em pano de fundo de alguns dos mais marcantes filmes de Roger Corman. Os quadros não estavam lá por acaso, eram o trabalho de Burt Schonberg, artista especializado em horror que não era suficientemente comercial para a ilustração, demasiado focado no terror para agradar à contracultura psicadélica, bem como a arte mais dedicada ao sci-fi da época. Esta nota de exposição, com o enquadramento, e as imagens, é uma excelente forma de descobrir o seu trabalho. Nalguns casos, rever, porque se tratam de imagens que quem viu os filmes da série Poe vai logo reconhecê-las.

A Canção de Lisboa: As comédias clássicas portuguesas vistas como um registo de um tempo e espaço específico, o Portugal dos anos 30, entre o provincianismo e a urbanidade, e as tensões advindas dos primeiros anos da ditadura do estado novo.

Classic SF Featuring Planets With Very Long or Very Short Days: E como fazer, quando os dias planetários não têm as nossas 24 horas? Esta lista traz-nos alguns clássicos da Ficção Científica cuja premissa passa pela vida em planetas cujos dias são mais longos que os nossos.

ENTREVISTAS (34) – JOSÉ PROJECTO (1.ª parte): Descobrir um dos ilustradores clássicos da Banda Desenhada portuguesa, hoje algo esquecido.

Video da lua suspenso por copyright da Universal Music: Uma história que nos mostra as tropelias dos sistemas de detecção de direitos de autor automatizados, e deliberadamente programados para detecção abrangente. A trollagem de direitos de autor, em que detentores de copyright tentam tudo para espremer rendimentos de todas as fontes possíveis, é toda uma lucrativa indústria.

[no title]: Exploitation retro.

Os Olhos do Gato: O grande mérito deste lançamento é trazer para a língua portuguesa uma obra clássica da BD, colaboração entre aqueles que talvez sejam os nomes maiores da BD francófona.

José de Freitas: “Acho que Eça de Queirós não aprovaria a ideia de converter grandes romances em banda desenhada”: Como foi adaptar Eça à banda desenhada, por parte do editor envolvido no projecto. Uma edição que, diga-se, se destina a um público que só entende banda desenhada nos estreitos limites do didáctico.

história

Gene Szafran, 1973: Psicadelismos.

All hail King Pokémon!: A história improvável de um colecionador que cruza o fascínio pelos objetos raros, fandom geek, e talento para negócios.

William Gibson’ s rejected Alien 3 Script Novelized by Pat Cadigan: Aposto que será uma história divertida, Pat Cadigan é uma das criadores do Cyberpunk.

Viagem, de Yuichi Yokoyama: A história de três homens num comboio, olhando para os detalhes da máquina. Uma proposta intrigante da Chili com Carne.

Tecnologia

da New Yorker dá nisto, cartoons ao estilo da venerável revista, deliciosamente bizarros.
Yara Birkeland, el primer buque de carga totalmente eléctrico y autónomo está listo para surcar los mares: O protótipo de um navio de carga autónomo já está em testes. O objetivo é o de ter um navio elétrico e autónomo capaz de se deslocar nas zonas costeiras da Europa.

Are You Ready for Sentient Disney Robots?: Não surpreende que os especialistas em animatrónica da Disney estejam a pensar em ir mais longe, desenvolvendo mecanismos cada vez mais realistas e capazes de reagir aos visitantes.

Astrobee Will Find Astronauts’ Lost Socks: Junto com os projetos de desenvolvimento de estações espaciais pós-ISS, temos robots desenvolvidos como assistentes dos astronautas.

AI Generating Paintings Off To A Flying Art: Arte ao toque de um botão. Este projeto DIY foi pensado como uma forma de tirar partido visual dos algoritmos geradores de imagem, mas na prática, representa aquele que é o maior medo, ou mito, das atitudes perante arte digital – a ideia de que usando meios digitais, a criação artística se torna totalmente artificial e simplificada, basta tocar num botão para se ter arte automaticamente. Algo que quem trabalha com meios digitais sabe que não é de todo verdade, há um enorme trabalho de mão humana num design 3D, pintura digital, algoritmo generativo ou treino de GAN.

‘Carbon Neutral’ Container Ships Are Greenwashing, Experts Say: Uma triste observação, a reconversão energética para biocombustíveis não é tão redutora das emissões de carbono quanto necessitamos na transição para uma economia mais verde.
Boox tablets are welcome options in the growing oversize e-reader niche: Quem lê muito em formato electrónico sabe que computadores, tablets ou telemóveis não são bons suportes de leitura. Nada como um ereader dedicado, com o seu ecrã de tinta digital, com a sua legibilidade excepcional em luz natural, sem o cansaço ocular dos ecrãs tradicionais.
An Army of Grain-harvesting Robots Marches Across Russia: Avante, legiões robóticas da agricultura russa! Lamento, não resisti à piada soviética, ao ler este artigo sobre a robotização de tratores agrícolas, algo que faz todo o sentido em latifúndios. Pormenor interessante, o criador deste sistema assume que a presença humana é essencial para colmatar as falhas de pormenor das máquinas, não chega programar percursos e dotar de visão computacional, o humano é necessário para reagir face aos imponderáveis.
Who Owns the Machine Anyway?: Uma questão que se coloca à medida que a robotização da economia avança. De quem é a propriedade das máquinas que compramos, muitas vezes com restrições ao direito de reparação e uso? A tendência parece ser a a restrição, com o utilizador a pagar pelo uso da ferramenta ou equipamento, mas sem deter efetivamente a sua propriedade.
How Data Science Pinpointed the Creepiest Word in “Macbeth”: Uma palavra prosaica, muito repetida, mas usada de tal forma que se torna o elemento mais arrepiante deste texto clássico.
How do the latest 3D-printed, mostly-plastic ghost guns fare on the shooting range?: Se há poucos anos me perguntassem sobre os perigos das armas impressas em 3D, diria que isso era uma não-questão, a tecnologia de impressão 3D caseira não garantia a fiabilidade e resistência de materiais necessária para que o disparo de uma arma impressa não fosse uma candidatura ao prémio darwin por parte do atirador. Subestimei a teimosia e persistência dos gun nuts, que desenvolveram modelos, processos e combinação de peças impressas com peças em metal para criarem armas capazes. Com isso, ressurgem as preocupações de descontrole e proliferação, bem como a impossibilidade de rastreamento deste tipo de armas. Sendo claro, continua a ser impossível tocar num botão e sair uma arma da impressora 3D, na verdade estas armas conjugam múltiplas peças, algumas em metal, e dão imenso trabalho a imprimir e montar. Mas há quem se queira dar ao trabalho de o fazer, e isso sim, é preocupante.
STL Format Is Obsolete: Here’s Why You Should Be Using 3MF: As virtudes do 3MF como formato para impressão 3D, face ao clássico STL. O formato tem vantagens, ao nível de metadados ou informação de cores, mas ainda não é muito suportado pelos slicers mais comuns. Talvez porque claramente de destina a usos industriais?
The Best Apps for Scanning 3D Objects with Your Phone: Espero, pacientemente, que os sensores Lidar cheguem aos Android. Nos iPhone, estão a revelar-se uma importante ferramenta de criatividade digital, permitindo aos criadores digitalizar o real usando o telemóvel.
Confessions of a Sid Meier’s Civilization Addict: Um divertido ensaio sobre a paixão por um jogo, e como para muitos de nós, o que realmente desperta o interesse num jogo são as suas possibilidades abertas, de construção, desenvolvimento de história, criação e evolução.
Belarusian hackers are trying to overthrow the Lukashenko regime: Uma história sobre ativismo digital, e também sobre coragem, o regime bielorusso é conhecido pela forma como não hesita em desvirtuar as leis para levar as suas intenções avante.
We’re Getting Closer to Flying Humanoid Robots: Leram bem, e se pensaram logo em robots voadores ao estilo Iron Man, bem, pensaram no mesmo que eu. Na verdade, está-se muito longe disso, e este desenvolvimento é apenas uma consequência divertida de projetos de investigação que olham para diferentes formas de locomoção.
Introducing Omnimattes: A New Approach to Matte Generation using Layered Neural Rendering: Mais um campo onde os algoritmos de inteligência artificial se irão tornar ferramentas. Esta técnica mostra os primeiros passos de geração automática de fundos matte para audiovisual.

História e Modernidade

história
The Origins of Indigo, That Bluest Blue: Parte projeto artístico, parte documento historiográfico, esta exposição olha para o índigo como cor, refletindo nos seus usos artísticos mas também na sua longa história como pigmento comercial.
Build competence, not literacy: Um ponto de vista interessante, especialmente se formos professores. Literacia implica conhecer sistemas, perceber regras, mas é em última análise passiva. Competência tem inerente a ideia de construir algo, de criar a partir do conhecimento que se adquire.

Our brains exist in a state of “controlled hallucination”: A nossa visão do mundo é uma constante construção cerebral, a partir dos dados sensoriais dos sentidos. Ou seja, a realidade que percebemos é construída pelo nosso cérebro.

The Kingpin of Shanghai: A intrigante história de um verdadeiro rei do submundo chinês, aliado de Chian Kai-Shek, que terminou os seus dias num obscuro exílio em Taipé.

Zapatistas “invadem” Madrid para comemorar “500 anos de resistência”: Uma invasão invertida, que nos recorda a montanha de cadáveres com que se construiu a história da colonização europeia.

Os 13 quadros de Nuno Saraiva que foram “irremediavelmente destruídos” no mural de Alfama: Com a pandemia tenho passado poucas vezes por Lisboa, e muito menos pela zona de Alfama, apesar de estar muito aprazível com a abrupta diminuição do turismo. Curiosamente, da última vez que por lá passei, deparei com o próprio Nuno Saraiva a finalizar o recente restauro do seu mural no arco de Alfama. Poucos dias depois foi vandalizado, de uma forma que torna difícil o restauro. Um tag idiota a cobrir o mural que recorda ao mundo a história de Lisboa, e mostra o talento artístico contemporâneo.

Os talibã podem parar o relógio mas não conseguem parar o tempo: O que se seguirá no território? Um regresso ao obscurantismo islâmico retrógrado, ou uma tensão permanente e violenta entre os zelotas, e uma população que já sentiu a modernidade? Como este texto demonstra muito bem, não há resposta fácil para estas questões.

How Afghanistan Changed a Superpower: Recordar o passado, a história, e o impacto que a guerra do Afeganistão teve no regime soviético. Não foi o que provocou a sua derrocada, mas a impossibilidade de vitória, a incapacidade governamental e os soldados estropiados numa guerra sem sentido contribuiram para a queda de um regime já descredibilizado. Agora que o Estados Unidos (e Nato) se retiram da zona após algo que nem foi vitória, nem foi derrota (o objetivo era cercear o terrorismo e atacar a Al Qaeda, e nisso funcionou, não o de conquistar e civilizar um território à maneira ocidental), que mudanças as percepções sobre o nosso papel no Afeganistão nos trarão?

Singapore Gives Up Goal of Covid-Zero Despite High Vaccination Rate: Se são daqueles que se pergunta “quando é que isto acaba”, desenganem-se, não acaba. A pandemia está cada vez mais sob controle, mas a covid será uma doença endémica global.

The planes that conquered Antarctica: Não é um terreno para todas as aeronaves, nem para todos os pilotos. A antártida representa um enorme desafio de voo, e requer aeronaves robustas. Como, por exemplo, os vetustos DC-3, avião clássico da história da II Guerra, ainda hoje ao serviço nos locais mais remotos.

***IMPORTANTE***

Não se esqueça de ajudar o Bit2Geek a crescer nas redes sociais, para termos mais colaboradores e mais conteúdo, 👍? A sua ajuda muda tudo!

***E clique em baixo para saber mais…

Projeto Olympus: a ICON vai construir habitações na Lua com o apoio da NASA

Artigo anteriorCapturas na Rede, 4 de Setembro: Inteligência
Próximo artigoCapturas na Rede, 18 de Setembro: Poder
Professor de TIC e coordenador PTE no AEVP onde dinamiza os projetos As TIC em 3D, LCD - Clube de Robótica; Fab@rts: o 3D nas Mãos da Educação, distinguido com prémio de mérito da Rede de Bibliotecas Escolares. Distinguido com o prémio Inclusão e Literacia Digital em 2016 (FCT/Rede TIC e Sociedade). Licenciado em ensino de Educação Visual e Tecnológica, Mestre em Informática Educacional pela Universidade Católica Portuguesa. Correntemente, frequenta pós-graduação em Programação e Robótica na Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Tutor online na Universidade Aberta. Formador especializado em introdução à modelação e impressão 3D em contextos educacionais na ANPRI (Associação Nacional de Professores de Informática) e CFAERC. Co-criador do projeto de robótica educativa open source de baixo custo Robot Anprino. Colaborador do fablab Lab Aberto, em Torres Vedras. O seu mais recente projeto é ser um dos coordenadores do concurso 3Digital, que estimula a utilização de tecnologias 3D com alunos do ensino básico e secundário.