sobre

Esta semana, destacamos ideias sobre a importância da arte, visões críticas da ficção científica, e Dune, agora anotado (hey, é uma fase). Fala-se sobre dados que migram em busca de fontes de energia, sistemas digitais vetustos que funcionam e desinformação. Ainda se olha para o crescer dos autoritarismos, novo urbanismo e os dilemas entre arte e personalidade. Outras leituras vos aguardam, nas Capturas desta semana.

Ficção Científica e Cultura Popular

Chris Riddell: Uma brilhante, e delicada, passagem gráfica sobre um texto de Neil Gaiman sobre a enorme importância da expressão artística.

Is Science Fiction An “Inadequate Response” To Existential Threat?: Bem, reduzir a ficção científica a um mero exercício de estilo que nos distrai das grandes questões existenciais é, passe o pleonasmo, redutor. Não surpreende, o texto parte de uma análise clássica de Susan Sontag, um nome clássico do mainstream cultural, que acusa a FC de colaborar ativamente com visões otimistas sobre guerra nuclear (o contexto são os anos 50), normalizando-a. Certo, penso, bocejando, está claro que a autora não se deu ao trabalho de realmente ler a FC que falava sobre guerra nuclear, desde mutações a especulações sobre que sociedade se ergueria após a queda da civilizaçao ocidental num holocausto de ICBMs. Na verdade, a especulação da ficção científica tem assumido um papel ativo, e, nos tempos contemporâneos, muito interventivo, no olhar para os problemas que a humanidade enfrenta e, através da especulação, muitas vezes catastrófica, sobre o que poderá suceder caso não se tomem medidas, contribuir para despertar a consciência da opinião pública. O cli-fi, ficção científica sobre o tema das alterações climáticas, é o rosto mais recente dessa tendência.

sobre

Roger Dean: E se isto vos recordar a capa de um disco… Dean ilustrou capas para bandas clássicas do rock sinfónico, dos Yes a Pink Floyd.

“Dune” (the movie), annotated: Para quem quiser mergulhar a fundo, mesmo muito a fundo, em Dune, esta recensão anotada do filme é imperdível. Cruza o livro, a saga, a adaptação de Lynch e a série do SyFy na análise à nova versão.

Robert McCall: Coisas old school.

Sapiens Imperium, uma saga shakespeariana das estrelas!: O entusiasmo do Bandas Desenhadas talvez seja muito elevado, pessoalmente gostei da leitura, mas coloco-a num patamar mais baixo. Vale pelo entretenimento, e pelo traço do ilustrador português Jorge Miguel, cujo trabalho para a indústria francesa está a ser editado por cá numa parceria entre as editoras A Seita e Arte de Autor.

Searching for Hayao Miyazaki in the Details of His Films: Descobrir o trabalho assombroso de Miyazaki, o maior expoente da animação japonesa.

Sobre Tecnologia

Google can now find your pet’s doppelgänger in works of art: E, mal descobri isto, cancelei os compromissos para o dia e passei o tempo a fotografar a minha cadela, para encontrar similaridades em obras de arte. Bem, não, um professor não tem essa liberdade de ação com a sua agenda diária. Mas era essa a vontade que tinha.

Facebook Ads Told Me To Become a Certified Cryptozoologist, So I Did: Há os cursos online legítimos, que nos permitem aprender um pouco de tudo, de literatura a programação (e, muitas vezes, bem mais difíceis do que cursos presenciais). E depois há estes cursos. Uma hilariante jornada de aprendizagem, em busca do saber criptozoológico.

The Uncomfortable Truths of American Spaceflight: É, de facto, uma verdade desconfortável. A grande maioria das pessoas não se interessa, não considera útil ou está contra a exploração espacial, usando muitas vezes o argumento “e se investissem o dinheiro para acabar com a fome é que era útil”. A indiferença face à maior aventura que a humanidade pode ter é gritante.

The Internet’s Unkillable App: Um olhar sobre a newsletter, uma tecnologia de publicação baseada em email que não só nunca desapareceu, como sobrevive e prospera na selva dos canais e meios de publicação. A chave da longevidade da newsletter está na sua enorme simplicidade, chegando através do email, sem sobressaltos nem a cada vez mais insuportável gritaria digital das redes sociais.

Metaverse, schmetaverse — take me to the Icelandverse: Talvez o mais divertido takedown à visão insossa de uma realidade intrusiva via facebook. Um anúncio inteligente do turismo islandês, que brinca, e muito bem, com os deslumbres com a virtualidade. “We have water, that actually wets your hand…” é hilariante.

China’s next generation of hackers won’t be criminals. That’s a problem: Um olhar para a crescente profissionalização dos hackers na China, que se assumem cada vez mais como força militarizada ao serviço do governo, treinada em centros militares e que desenvolve atividades de intrusão e espionagem de acordo com as diretivas da ditadura chinesa.

Palm OS: Reincarnate: Vem à memória os meus primeiros PDAs, precursores dos tablets e smartphones, sempre que se fala no Palm OS.

The Scrolling Orb: Para arquivar na categoria “coisas que não sabíamos que era divertido saber”. O trackball foi inventado por investigadores canadianos ligados à Ferranti, empresa na área da tecnologia militar, como parte de um projeto secreto nos anos 50.

Peter Thiel: Artificial General Intelligence isn’t happening: Como se atreve, Thiel, a contrariar o dogma sobre a iminência da eminente AGI? Aquela que nos vai tornar obsoletos?  É uma visão mais sóbria, que se despe do idealismo exacerbado e nos recorda das formas como a Inteligência Artificial já se faz sentir nas nossas vidas, especialmente nos domínios da vigilância. E, para isso, não são precisas AGIs para reprimir cidadãos e constranger as democracias.

Google and others have committed to 24/7 carbon-free energy. What does that mean?: Este artigo sublinha os problemas levantados pela dependência de energias renováveis, as eólicas e solares estão sempre dependentes das condições de tempo e podem não dar a resposta para picos de necessidade energética. Há várias soluções sustentáveis para isso, ao nível da infraestrutura elétrica. Neste artigo, observa-se uma algo intrigante: a transferência de carga em servidores de datacenter para datacenter, de acordo com a disponibilidade energética de cada datacenter. Faz lembrar os girassóis, aqui os dados de uma internet global que se alojam e dão resposta aos pedidos de utilizadores, numa migração constante em busca de energia, seguindo os ritmos naturais do vento e do sol.

With all eyes on the Indo-Pacific, a burgeoning tech alliance is taking shape in the Euro-Atlantic: Se a Ásia parece tomar todas as atenções no que toca às inovações em tecnologia, na verdade o eixo euro-atlântico tem uma enorme dimensão, especialmente no que toca ao estabelecimento de normativos globais. Alguns projetos, claramente inseridos numa estratégia global de contenção da China, procuram estimular mais as relações tecnológicas transatlânticas.

Testing an anti-satellite missile, Russia just created a dangerous debris field in the ISS path: Ah, nada como civismo e cooperação no uso do espaço. Nada,também, como ter uma grande potência na exploração espacial a dar um exemplo de como piorar as condições em órbita.

10 Image File Formats That Time Forgot: Recordo bem alguns destes formatos – o lendário bitmap, ou o VRML, precursor dos metaversos sonhados hoje, e que formou a base da minha tese de mestrado sobre mundos virtuais educativos construídos por crianças, no já longínquo ano de 2009 (o quê, achavam que o metaverso by facebook é uma ideia nova?).

Want to Quit Facebook? These Are the Best Alternatives for Most of What Facebook Does: Alternativas razoáveis, às quais eu adicionaria o Mastodon como rede social. Mas haverá alternativa ao Facebook? Sem dúvida que podemos usar outros serviços, mas o trunfo que o Facebook tem na manga é imbatível – o número de utilizadores, a certeza que por defeituosa que seja a rede, encontramos por lá pessoas das nossas comunidades. E é isso, não as aplicações em si, que torna o Facebook incontornável.

Probing the Likelihood of Panspermia: Intrigante, ler que a hipótese de panspermia já é colocada desde a antiguidade.

How do you fix an “information disorder”? The Aspen Institute has some ideas: As ideias em si não trazem muito de novo, com apelos à supervisão de redes e internet, mas os responsáveis por este estudo apontam um pormenor importante: a desinformação, por tentador que nos possa parecer, não é a causa dos males sociais; antes, é um reflexo do falhanço das sociedades em resolver os problemas sociais.

Ex-security chief: we have privatised our cyber security. The winners are the hackers: Observar que são necessárias fortes instituições públicas, no domínio dos standards mas também nas ações preventivas, para minorar os problemas de cibersegurança.

Modernidade

sobre
A car accident gets them in the mood – a precursor to the Ballard novel and film of Crash: Chamar a esta curiosa imagem um precursor das parafilias de Crash é um longo salto.

Já viu as máquinas de lavar em paragens de autocarro? É Superlinux, artista mistério de Lisboa: Por acaso, ainda não reparei nestas obras de arte urbana. Fiquei curioso, da próxima vez que estiver por Lisboa, vou manter o radar visual ligado para ver se detecto estes monólitos inauditos na cidade.

Perfecting the New York Street: Designers, arquitetos e urbanistas criaram visões de como uma cidade como Nova Iorque pode ser mais humanizada, sustentável, amiga do ambiente, e não perder a sua vibração. É curioso ler isto e comparar com Lisboa, onde muitas destas ideias estão a ser implementadas.

How We Became Post-Modernist (And Why It’s A Problem): Bem, mas o pós-modernismo ainda é uma cena?

US Military Horrified by Chinese Military Spending Money on Exact Same Crap They Do: Intrigante, observar que em parte, o crescimento e desenvolvimento das tecnologias militares chineses que tanto assustam os americanos… são em parte desenvolvidas por empresas americanas, ou compradas. Ironias da geopolítica.

A Dictator Is Exploiting These Human Beings: A exploração de uma crise humanitária como forma de financiar um ditador.

The Prime Minister Of Greece Tries To Broker A Return Of The Parthenon’s Marbles From Britain: Qual a melhor sequência para conhecer a espantosa herança cultural do Parténon? Visitar as suas ruínas na Acrópole. Visitar o Museu da Acrópole para ver a reconstituição dos frisos, retirados às ruínas para proteção. E, para ver as esculturas do frontão do templo, é só ir um pouco mais ao lado, ao British Museum. Estas questões podem não parecer muito lineares, podemos sempre invocar o trabalho de museologia e investigação dos museus europeus, que albergam milhares de artefactos retirados aos seus locais de origem. Mas façamos uma experiência: imaginem que, durante os anos conturbados das Invasões Francesas, um comandante militar francês ou inglês se aproveitava da situação para, digamos, desmontar o portal poente dos Jerónimos e o levar para outro país, onde se tornaria um tesouro museológico?

Why The Future Is Always Painted White: Intrigante. Não é uma escolha ideológica. É uma herança do alto modernismo, que rejeitava abertamente os estilismos decorativos que imitavam épocas anteriores, e viam na pureza das superfícies brancas um sinal de evolução.

45,000-Year-Old Painting Of A Warty Pig Upends History Of Art: Achar que descobrir arte rupestre ainda mais antiga do que as de Chauvet “abala” a história de arte, é, enfim, simplista. Na verdade, os historiadores, quer de arte quer dedicados à pré-história, estão muito abertos à tremenda antiguidade do espírito artístico, e sabem que nos será sempre impossível conhecer a real extensão e antiguidade da arte criada pelos nossos ancestrais.

What Do We Do with the Work of Immoral Artists?: Uma das maiores falhas da chamada Cancel Culture é a sua incapacidade em atrever-se a colocar questões complexas. É simplista, fácil, e de uma sofrível pobreza intelectual, gritar pela anulação e esquecimento do trabalho de um artista porque este não se ajusta às visões morais contemporâneas. Mais difícil é aceitar sem desculpar, perceber o valor das obras e a capacidade do artista, sem que se escamoteie os seus crimes. Algo com que o lado oposto à cultura mais contemporânea lida mal, com os seus constantes apelos a um “não podemos julgar pessoas do passado pelos padrões de hoje”. Não, claro que não, mas se, pegando no exemplo de Gauguin, era visto como natural um homem branco nas ilhas do Pacífico aproveitar-se sexualmente das adolescentes, isso não o torna mais aceitável.

The Bad Guys Are Winning: Bem, estou a ver que a arrepiante sensação que o século XXI  está a trazer o alastrar dos autoritarismos, não sou só eu que a sinto. Artigo brilhante, que desmonta a razão pela qual tantos recantos do mundo não só vivem sem liberdade, como perderam qualquer esperança de alguma vez a obter. É um misto de cleptocracia, forças militares, redes de controle dos media (dos tradicionais aos digitais), e essencialmente, indiferença perante a opinião do resto do mundo. Ou, como coloca muito bem este artigo, o que interessa a estes autocratas é agarrar o poder, mesmo que à custa da derrocada do seu país. E fazem-no com a segurança de saber que, um pouco por todo o mundo, se podem relacionar com gentalha da mesma igualha.

***IMPORTANTE***Não se esqueça de ajudar o Bit2Geek a crescer nas redes sociais, para termos mais colaboradores e mais conteúdo, 👍? A sua ajuda muda tudo!

***E clique em baixo para saber mais…

Pode a Inteligência Artificial criar arte? Os robots pintores mostram-nos como.

Artigo anteriorCapturas na Rede, 20 de Novembro: Dune
Próximo artigoCapturas na Rede, 4 de Dezembro: Real
Professor de TIC e coordenador PTE no AEVP onde dinamiza os projetos As TIC em 3D, LCD - Clube de Robótica; Fab@rts: o 3D nas Mãos da Educação, distinguido com prémio de mérito da Rede de Bibliotecas Escolares. Distinguido com o prémio Inclusão e Literacia Digital em 2016 (FCT/Rede TIC e Sociedade). Licenciado em ensino de Educação Visual e Tecnológica, Mestre em Informática Educacional pela Universidade Católica Portuguesa. Correntemente, frequenta pós-graduação em Programação e Robótica na Educação pelo Instituto de Educação da Universidade de Lisboa. Tutor online na Universidade Aberta. Formador especializado em introdução à modelação e impressão 3D em contextos educacionais na ANPRI (Associação Nacional de Professores de Informática) e CFAERC. Co-criador do projeto de robótica educativa open source de baixo custo Robot Anprino. Colaborador do fablab Lab Aberto, em Torres Vedras. O seu mais recente projeto é ser um dos coordenadores do concurso 3Digital, que estimula a utilização de tecnologias 3D com alunos do ensino básico e secundário.